Coreia do Sul: presidente da Samsung é hospitalizado

O presidente da fabricante de smartphones sul-coreana Samsung Eletronics, Lee Kun-hee, de 72 anos, está internado em um hospital de Seul, na Coreia do Sul, depois de sofrer um ataque cardíaco, mas sua condição de saúde é estável.

AE, Agência Estado

11 Maio 2014 | 13h17

No sábado, Lee teve dificuldade para respirar e foi enviado para a emergência de um hospital perto de sua casa. Ele mostrou sintomas de parada cardíaca e a equipe do hospital precisou prestar os primeiros socorros (reanimação cardiopulmonar), informou em nota divulgada neste domingo o Centro Médico Samsung, onde o executivo está sendo tratado. Depois que sua condição cardíaca melhorou, Lee foi tratado e está atualmente em recuperação, conforme a nota. Funcionários do hospital e da companhia não quiseram informar por quanto tempo ele ficará hospitalizado.

Lee transformou a Samsung Electronics, carro-chefe do conglomerado sul-coreano Samsung, em uma marca global que vende de tudo, desde semicondutores a televisores e eletrodomésticos. A Samsung é atualmente mais conhecida pela fabricação de telefones celulares. Embora Lee esteja menos envolvido nas operações do dia-a-dia da companhia, já que a empresa atualmente é dirigida por três executivos-chefes, acredita-se que ele tenha palavra final nas decisões estratégicas.

Esta não é a primeira vez que Lee é hospitalizado. Em agosto do ano passado, ele sofreu de pneumonia. Também recebeu tratamento por câncer de pulmão no final da década de 1990. Os problemas de saúde de Lee levantam preocupações se o seu único filho, Jay Y. Lee, está pronto para assumir o controle da maior empresa da Coreia do Sul em termos de valor de mercado. O Lee filho, que foi preparado como um sucessor por muitos anos, atuou como diretor de operações da Samsung até 2012 e é agora vice-presidente da empresa. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.