Coreia do Sul quer detalhes sobre visita de Kim Jong-il à China

Viagem misteriosa poderia estar ligada em garantir a sucessão do regime comunista norte-coreano

Efe

29 de agosto de 2010 | 03h36

SEUL - A Coreia do Sul pediu detalhes a Pequim sobre a inesperada viagem à China do líder norte-coreano Kim Jong-il, que aparentemente continua sua viagem por seu país vizinho, segundo informou neste domingo, 29, a agência Yonhap.

O escritório da Yonhap acrescenta que Seul tem a intenção de que o pessoal de sua embaixada em Pequim mantenha uma reunião com o Ministério de Exteriores chinês no começo da semana para receber informação sobre os resultados da visita do líder norte-coreano, que teria se reunido com o presidente Hu Jintao.

Kim Jong-il, de 68 anos, saiu na noite do sábado da cidade chinesa de Changchun em seu trem blindado e esperava que estivesse de volta à Coreia do Norte, embora ao não se detectar sinais de sua volta acredita-se que continua com sua viagem por cidades do norte da China.

Fontes diplomáticas consultadas pela Yonhap indicaram que o mais provável é que Kim se dirija para a cidade de Yanji, na província autônoma de Yanbian, onde mora uma grande comunidade de etnia coreana.

Acredita-se que esta nova parada em sua viagem, que começou na localidade de Jilin na quinta-feira, está orientada a conseguir avanços em cooperação econômica com a região de Yanbian, na fronteira com a Coreia do Norte.

Esta misteriosa e inesperada visita de Kim é a segunda realizada pelo líder norte-coreano à China este ano e poderia estar centrada em assegurar o processo de sucessão à frente do regime comunista norte-coreano.

A Yonhap não descarta que Kim Jong-il, de 68 anos, viaja acompanhado de seu filho mais novo, Kim Jong-un, de 26 anos e a quem se considera seu possível sucessor à frente do Governo, embora este extremo não tenha sido confirmado.

Nem Pequim nem Pyongyang informaram sobre a viagem do hermético líder norte-coreano, como é habitual, pois sempre dão notícia de suas visitas quando elas terminam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.