Coreia do sul reduz número de sobreviventes de naufrágio

Três semanas após a tragédia do ferry Sewol, que naufragou na Coreia do Sul, o governo sul-coreano anunciou nesta quarta-feira que calculou errado o número de sobreviventes. Este foi o mais recente de uma série de erros que corroeram a confiança da população na atual administração. O chefe da Guarda Costeira, Kim Suk-kyoon, disse que apenas 172 pessoas sobreviveram ao naufrágio, e não 174, como afirmava o governo desde 18 de abril.

AE, Agência Estado

07 Maio 2014 | 17h12

Kim disse que um dos sobreviventes foi listado duas vezes acidentalmente e culpou um relato impreciso de um passageiro pelo outro erro. Outra oficial da Guarda Costeira disse que o passageiro informou enganosamente às autoridades que viajava com alguém que tinha entrado a bordo furtivamente e, portanto, não estava na lista de passageiros do navio. A oficial falou sob condição de anonimato por não estar autorizada a conversar com a mídia sobre o assunto. Ela disse que o passageiro confessou posteriormente aos oficiais que deu informação errada porque "perdeu o controle das coisas".

Kim disse ainda que há dois passageiros desaparecidos a mais do que as autoridades sabiam. Ambos são cidadãos chineses. Essa mudança aumenta a estimativa de mortes para 304. Até agora 269 corpos foram recuperados. Mergulhadores estão à procura de mais 35 pessoas.

Famílias das vítimas e outros sul-coreanos têm criticado o manejo do governo do esforço de resgate e os fracassos regulatórios que podem ter permitido que o desastre ocorresse. A longa e difícil busca embaixo d''água pelos corpos na costa sul da Coreia do Sul aprofundou a angústia das famílias dos desaparecidos, que estão acampadas em um porto nas proximidades, aguardando notícias de seus entes queridos.

O primeiro-ministro do país, Chung Hong-won, disse em um reunião do conselho de gabinete que as autoridades precisam trabalhar com "determinação para concluir as buscas" no sábado a fim de ajudar a aliviar o sofrimento dos familiares de pessoas desaparecidas. As correntes de maré, um obstáculo frequente para mergulhadores, devem seguir fracas até lá.

Chung se ofereceu para renunciar em meio à revolta do público com a forma como o governo manejou as medidas após o desastre. A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, aceitou seu pedido de demissão, mas pediu-lhe para ficar em seu posto por ora, enquanto o governo tenta resolver as consequências do naufrágio. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.