Coreia do Sul registra duas mortes de civis por ataques de terça

São os primeiros óbitos de civis por disparos norte-coreanos desde o fim da Guerra da Coreia

Efe

24 de novembro de 2010 | 07h40

SEUL - As autoridades da Coreia do Sul encontraram nesta quarta-feira, 24, os corpos de dois civis entre os escombros de casas destruídas na terça-feira pelo ataque norte-coreano à ilha de Yeonpyeong, informou a polícia.

 

Veja também:

video Vídeo: Veja imagens do ataque norte-coreano

blog  Radar Global: O armistício de Pan-Mun-Jon

documento Análise: Pyongyang tem 1 milhão de soldados; Seul tem os EUA

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países

 

Com isso, o número de vítimas fatais subiu para quatro - dois militares também morreram, enquanto 18 pessoas foram feridas, dos quais cinco em estado grave.

 

Os dois corpos foram encontrados pelas equipes de resgate que trabalham entre os restos dos imóveis destruídos pelos disparos da artilharia norte-coreana e pelos incêndios posteriores.

 

São as primeiras mortes de civis desde o fim da Guerra da Coreia (1950-1953) em consequência de um ataque norte-coreano com artilharia em solo sul-coreano, segundo a imprensa local. Os cadáveres são de dois homens, de 60 e 61 anos, identificados como Kim Chi-baek e Bae Bok-cheol, informou a emissora de televisão sul-coreana YTN.

 

Enquanto as equipes de emergência continuam seus trabalhos na região atingida, o Exército sul-coreano busca na ilha outras possíveis vítimas e começa a quantificar os danos.

 

Os dois países se encontram tecnicamente em conflito desde que a Guerra da Coreia (1950-1953) foi encerrada pelo armistício em vez de um tratado de paz. Desde então, o acirramento das tensões entre as duas nações asiáticas é frequente. O ataque à ilha de Yeonpyeong é considerado um dos mais graves incidentes desde então.

 

Leia mais:

linkEUA e Coreia do Sul farão manobras militares no domingo

linkObama: Pyongyang é ameaça séria e contínua

linkPyongyang acusa Seul de levar região 'à beira da guerra'

 

Um dos episódios mais recentes dos atritos entre os países foi o afundamento do navio sul-coreano Cheonan. Seul acusa Pyongyang de estar por trás do ataque, que matou 46 marinheiros. A Coreia do Norte, que está sob pressão pelas suspeitas de estar ampliando seu programa nuclear, nega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.