Coreia do Sul rejeita proposta norte-coreana para fim de guerra

País afirma que é preciso que Pyongyang negocie fim de seu programa nuclear para encerrar o conflito

Agência Estado e Associated Press,

12 de janeiro de 2010 | 13h01

A Coreia do Sul e os EUA recusaram uma proposta da Coreia do Norte para o início de conversações para encerrar formalmente a Guerra da Coreia. O governo de Seul afirmou nesta terça-feira, 12, que isso somente pode ocorrer quando Pyongyang voltar ao diálogo para o fim de seu programa nuclear.

 

Veja também:

linkCoreia do Norte pede tratado de paz e fim de sanções

especialLinha do tempo: Ameaça nuclear norte-coreana

especialEspecial: As origens do impasse norte-coreano

 

A Coreia do Norte afirmou na segunda-feira que seu retorno às conversações em seis partes sobre seu programa de armas nucleares depende da melhoria das relações com os EUA, por meio do início das negociações para um tratado de paz. Pyongyang pediu, além disso, o fim das sanções internacionais contra o país.

 

Nesta terça-feira, o ministro da Defesa sul-coreano, Kim Tae-young, afirmou acreditar que as conversações de paz somente podem ocorrer após a retomada das negociações nucleares e que Pyongyang der passos para o fim de seu programa nuclear. Segundo ele, os sul-coreanos continuam tentando determinar quais são as verdadeiras intenções do vizinho com a proposta.

 

Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA também rechaçou na segunda-feira a iniciativa de Pyongyang, dizendo que o país primeiro deve reintegrar-se às negociações nucleares. Em Washington, o porta-voz pediu que o país volte à mesa de negociações sobre seu programa nuclear.

 

A Guerra da Coreia (1950-53) foi encerrada em uma trégua, não com um tratado de paz, por isso as duas Coreias seguem tecnicamente em confronto.

 

O país comunista abandonou as negociações nucleares no ano passado, após sofrer sanções por testar um foguete de longo alcance. Em seguida, o regime de Kim Jong-il fez seu segundo teste nuclear, testou vários mísseis e reativou sua planta de produção de plutônio, o que gerou amplas críticas internacionais e sanções mais duras da ONU.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.