Coreia do Sul renova oferta de ajuda à Coreia do Norte

O presidente da Coreia do Sul renovou neste sábado sua oferta de ajuda para a Coreia do Norte, caso o país abandone as armas nucleares, e pediu por um diálogo para reduzir as armas convencionais colocadas na fronteira altamente fortificada.

AE, Agencia Estado

15 de agosto de 2009 | 11h09

Em discurso televisionado nacionalmente, o presidente Lee Myung-bak disse que gostaria de um "diálogo cândido" com a Coreia do Norte sobre o desmantelamento de seus programas atômicos, para que a nação comunista possa prosperar economicamente.

"Armas nucleares não vão garantir a segurança, mas sim tornar o futuro mais difícil", disse Lee, em discurso marcando o 64º aniversário da libertação da Coreia do domínio colonial japonês.

Durante anos, a Coreia do Sul foi um dos maiores benfeitores de Pyongyang, mas desde que assumiu o poder no ano passado, o governo conservador, pró-EUA, de Lee suspendeu a ajuda incondicional à Coreia do Norte, como parte de uma nova abordagem de linha dura. O Norte respondeu cortando boa parte das relações e reduzindo projetos conjuntos importantes.

Não se sabe se a oferta de ajuda proposta por Seul vai convencer a Coreia do Norte a voltar atrás em sua promessa de retomar o programa nuclear. Lee fez ofertas similares de ajuda no passado, mas a Coreia do Norte rejeitou todas elas.

Lee também se ofereceu para conversar sobre a redução das armas convencionais e tropas ao longo da zona desmilitarizada, uma área de 4 quilômetros de largura que divide a península coreana.

As duas Coreias ainda estão tecnicamente em guerra, desde que a Guerra da Coreia de 1950 a 1953 terminou em armistício, e não um tratado de paz. Os países têm centenas de milhares de tropas prontas para o combate e artilharia pesada na fronteira. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do SulajudaCoreia Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.