AP Photo/Ahn Young-joon
AP Photo/Ahn Young-joon

Coreia do Sul suspende exercícios militares previstos para agosto

Decisão visa facilitar as conversas sobre a desnuclearização entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos

O Estado de S.Paulo

10 Julho 2018 | 02h59

SEUL - O governo da Coreia do Sul anunciou nesta terça-feira, 10, que suspenderá as manobras militares previstas para o mês de agosto como forma de facilitar as conversas sobre desnuclearização entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos. 

+ EUA suspenderão mais exercícios militares com a Coreia do Sul

"O Governo decidiu suspender temporariamente o exercício Ulchi devido às circunstâncias de segurança em transformação", anunciou o ministro de Interior sul-coreano, Kim Boo-kyum, em declarações divulgadas pela agência  de notícias Yonhap. A manobra Ulchi se trata de conjunto de exercícios anuais realizados em agosto pelas forças armadas sul-coreanas e americanas. 

A medida visa facilitar o avanço dos diálogos iniciados na cúpula histórica entre o presidente americano Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un no dia 12 de junho, em Cingapura. No encontro, a Coreia do Norte se comprometeu a encerrar seu programa nuclear desde que os aliados de Washington deixassem de realizar manobras militares na península. O país enxerga os exercícios como ensaios de uma possível invasão ao território norte-coreano.

+ Inteligência americana acredita que Kim Jong-un tenta ocultar arsenal

Desde então, Estados Unidos e Coreia do Sul suspenderam séries de atividades militares na região. No entanto, os países afirmam que as medidas são temporárias e os exercícios podem ser retomados caso a Coreia do Norte não cumpra com sua parte do acordo. 

+ Em agosto, famílias coreanas separadas pela guerra se encontrarão pela primeira vez desde 2015

Após a suspensão, por ora, o governo de Seul diz que novas manobras deverão ser estabelecidas para o próximo ano com foco no combate ao terrorismo e prevenção a desastres naturais. //EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.