Coréias adiam cúpula até outubro devido a inundações

Chuvas torrenciais entre os dias 7 e 12 de agosto deixaram centenas de mortos e de desaparecidos

EFE

18 de agosto de 2007 | 04h49

A histórica cúpula entre os líderes das duas Coréias, prevista para o fim deste mês em Pyongyang, será adiada até o início de outubro devido às graves inundações sofridas pelo país comunista, informou neste sábado a agência sul-coreana "Yonhap". Pyongyang pediu a Seul o adiamento da reunião entre o presidente sul-coreano, Roh Moo-hyun, e o líder norte-coreano, Kom Jong-il, prevista para os dias 28 a 30 de agosto. Em reunião de urgência, o Governo sul-coreano propôs como novas datas para a cúpula os dias 2 a 4 de outubro. A sugestão deverá será aceita. O regime comunista de Pyongyang admitiu esta semana que as chuvas torrenciais entre os dias 7 e 12 de agosto deixaram centenas de mortos e de desaparecidos. Além disso, inundaram grande parte do país, inclusive da capital. As inundações desabrigaram pelo menos 300 mil pessoas e causaram a perda de 450 mil toneladas de grãos, 11% da produção do país, segundo as Nações Unidas. A ONU afirma que 10% dos norte-coreanos estão desabrigados, 70% do total de terras cultiváveis foram afetados e 50% dos hospitais ficaram destruídos. A cúpula das duas Coréias, a segunda na história, servirá para discutir a paz e a prosperidade na península e abordar uma nova fase da unificação de uma nação dividida desde o fim da Guerra da Coréia, em 1953. Além disso, o diálogo de seis lados para a desnuclearização deve fazer parte da agenda.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréiadesnuclearização

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.