AP
AP

Coreias anunciam acordo sobre reunificação de famílias

Grupo de cem idosos de cada país poderá se reunir com parentes na região de fronteira

28 de agosto de 2009 | 06h24

A Coreia do Norte e a Coreia do Sul chegaram nesta sexta-feira, 28, a um acordo para de permitir uma nova série de reuniões para famílias longamente separadas pela guerra na península. As reuniões, as primeiras em quase dois anos, estão previstas para o mês que vem. Seul anunciou ainda, nesta sexta-feira, que Pyongyang liberará quatro pescadores sul-coreanos detidos no mês passado. 

 

Veja também:

especialEspecial: As origens do impasse norte-coreano

especialEspecial: As armas e ambições das potências nucleares

especialLinha do tempo da ameaça nuclear norte-coreana

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

Membros da Cruz Vermelha nos dois países participaram das negociações de três dias, no centro turístico da montanha Diamante, na Corea do Norte, e combinaram de realizar seis dias de reuniões temporárias, nas quais será possível visitas de um total de 200 famílias no mesmo centro turístico, a partir de 26 de setembro, segundo um comunicado conjunto.

 

Milhões de famílias se separaram pela Guerra da Coreia, encerrada com um cessar-fogo em 1953, ainda que nunca tenha havido um tratado de paz formal. Atualmente, é possível realizar telefonemas ou enviar correios eletrônicos entre os dois países.

 

As negociações desta semana são os mais recentes sinais de melhoria na relação entre as nações rivais. O comunicado indicou também que o norte e o sul continuarão analisando assuntos como a reunificação familiar ou questões humanitárias.

 

A Coreia do Norte se aproximou um pouco de Seul e dos Estados Unidos nas últimas semanas, após várias provocações, incluindo uma série de testes nucleares que resultaram em sanções da ONU. No início do mês, Pyongyang liberou duas jornalistas norte-americanas e um trabalhador sul-coreano, após mais de quatro meses de detenção.

 

Pyongyang prometeu retomar alguns projetos conjuntos, como as reuniões familiares, paradas desde a chegada do poder do governo conservador em Seul, há quase um ano e meio. Uma delegação norte-coreana foi enviada a Seul, para expressar condolências pela morte do ex-presidente Kim Dae-jung. Ao mesmo tempo, a Coreia do Norte convidou altos funcionários dos EUA para o que poderiam ser as primeiras negociações sobre seu programa nuclear desde a posse de Barack Obama, em janeiro.

 

Pescadores

 

O governo norte-coreano anunciou também que libertará  no sábado quatro pescadores sul-coreanos detidos no mês passado, segundo o Ministério da Reunificação da Coreia do Sul. Os pescadores foram detidos depois que embarcação entrou acidentalmente em águas territoriais do Norte. Segundo o porta-voz da pasta, as autoridades da Coreia do Norte entregarão os pescadores aos sul-coreanos na fronteira marítima dos países por volta das 17 horas (5 horas no horário de Brasília).

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteCoreia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.