AP Photo/Ahn Young-joon
AP Photo/Ahn Young-joon

Coreias do Sul e do Norte começam a remover minas terrestres de fronteira

Medida é a primeira de uma série de acordos acertados pelos líderes dos dois países em cúpula no mês passado que preveem ainda a remoção de postos de fronteira e a criação de zonas tampão na fronteira marítima e terrestre e de uma zona de exclusão aérea

O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2018 | 11h11

SEUL - Soldados da Coreia do Norte e da Coreia do Sul começaram a remover nesta segunda-feira, 1º, minas terrestres instaladas ao longo da altamente fortificada fronteira entre os dois países, informou o Ministério de Defesa sul-coreano. 

A retirada das minas ocorre ao mesmo tempo em que as negociações sobre o programa nuclear norte-coreano foram retomadas depois de semanas de impasse. O secretário de Estado do EUA, Mike Pompeo, deve visitar Pyongyang neste mês para discutir os detalhes de um segundo encontro do presidente americano, Donald Trump, com o líder norte-coreano, Kim Jong-un.

Nesta segunda, engenheiros do Exército sul-coreano com equipamento de desminagem foram enviados para o vilarejo fronteiriço de Panmunjom e para outra localidade na divisa conhecida como "Colina Ponta da Flecha", onde os dois países planejam realizar buscas conjuntas por soldados mortos durante a Guerra da Coreia (1950-1953). As tropas começaram a remover as minas na parte sul das duas localidades.

Os militares sul-coreanos também detectaram soldados do Norte envolvidos no que disseram ser a desminagem da parte norte dos locais, disse um oficial de defesa sul-coreano, sob condição de anonimato. A imprensa oficial da Coreia do Norte ainda não divulgou qualquer notícia sobre o tema.

A Coreia do Sul acredita que corpos de pelo menos 300 soldados do país e um número não determinado de chineses e norte-coreanos estão na Colina Ponta da Flecha, onde aconteceram algumas das mais violentas batalhas durante a Guerra - que deixou milhões de mortos ou desaparecidos.

Novos acordos

O acordo para remoção de minas, o primeiro esforço do tipo desde o começo dos anos 2000, faz parte de um pacote de medidas acordadas pelos ministros de Defesa dos dois países à margem de um encontro entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, em Pyongyang no mês passado.

Com objetivo de reduzir a tensão e melhorar a confiança na península, eles também concordaram em remover 11 postos de guarda na fronteira dos dois países até dezembro, criar zonas tampão ao longo da fronteira terrestre e marítima e criar uma zona de exclusão aérea sobre a fronteira para prevenir acidentes.

Moon afirmou nesta segunda que os acordos militares "encerrarão todos os atos de hostilidade em terra, mar e céu entre a Sul e o Norte". / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.