Coréias iniciam construção de vias de ligação

Com uma salva de fogos de artifício, as duas Coréias começaram simultaneamente a construção de ligações rodoviárias e ferroviárias através de sua fronteira comum intensamente fortificada, com a esperança de que o projeto melhore as relações entre os dois países. A tentativa também amplia as possibilidades de obtenção de uma paz duradoura na última fronteira da Guerra Fria, após as recentes medidas do governo do Norte destinadas a tirar o país de seu prolongado isolamento internacional. Em uma cerimônia celebrada ao sul da fronteira, quatro soldados abriram uma cerca de arame farpado que conduz à zona desmilitarizada, semeada de minas terrestres, que separa os dois Estados coreanos. Durante a cerimônia, transmitida pela televisão para toda a Coréia do Sul, uma menina que simbolizava o Norte caminhou através da cerca e abraçou um menino que simbolizava o Sul. Em seguida, um trem de dois vagões avançou até o portão aberto na cerca, em um gesto simbólico. Centenas de pessoas aplaudiram.Alguns quilômetros adiante, do outro lado da fronteira, a Coréia do Norte realizava uma cerimônia similar, assistida por cerca de 2.500 pessoas, segundo funcionários do Sul, e presidida pelo primeiro-ministro norte-coreano, Hong Son Nam. Dua vias serão construídas ao longo da linha divisória entre o Norte e o Sul. Ainda nesta quarta-feira, trabalhadores começariam a retirar as minas da zona fortificada. Se os planos prosseguirem sem maiores problemas, uma rodovia no setor leste da fronteira será completada até novembro e a ligação ferroviária no setor oeste da linha divisória deverá estar pronta até o final do ano. O presidente russo, Vladimir Putin, enviou mensagens ao líder norte-coreano, Kom Jong Il, e ao presidente sul-coreano, Kim Dae-jung, de congratulações pela "sábia decisão" adotada pelos dois Estados coreanos. Ontem, em mais um indício da intenção de Pyongyang de sair do isolamento, o primeiro-ministro japonês, Junichiro Koizumi, realizou uma visita sem precedentes à Coréia do Norte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.