Korea Summit Press Pool via AP - 27/04/18
Korea Summit Press Pool via AP - 27/04/18

Presidente sul-coreano se encontrará com Kim Jong-un em setembro

Após reunião de duas horas, representantes dos dois países anunciaram terceira cúpula intercoreana em Pyongyang; encontro será a primeira visita de um mandatário da Coreia do Sul à capital norte-coreana nos últimos dez anos

O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2018 | 01h43
Atualizado 13 Agosto 2018 | 04h55

SEUL - O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, se encontrarão em Pyongygang para uma terceira cúpula intercoreana, informaram representantes dos dois países após reunião na Zona Desmilitarizada de Panmunjom nesta segunda-feira, 13. O encontro marcará a primeira visita de um mandatário sul-coreano à capital da Coreia do Norte nos últimos dez anos.

Na primeira cúpula intercoreana realizada em abril deste ano, os países acordaram que Moon visitaria Kim em Pyongyang neste outono, entre setembro e novembro. Os líderes chegaram a se encontrar pela segunda vez em maio para tratar dos preparativos para a cúpula entre Kim e Trump, realizada em junho em Cingapura, mas não decidiram os termos do terceiro encontro. 

Nos últimos dias, a Coreia do Norte apressou os preparativos para a nova cúpula após os Estados Unidos ordenarem "mais pressão" dos países ocidentais nas sanções contra o regime. Na semana passada, agências de inteligência americanas e especialistas independentes da ONU alertaram que Kim continuava a produzir mísseis e armas nucleares mesmo após a promessa de desnuclearização.

"Efetuaremos uma avaliação global dos avanços nas promessas da Declaração de Panmunjom (acordo firmado entre os países em abril) e discutiremos os próximos passos", declarou o ministro da Unificação sul-coreano, Cho Myoung-gyon, antes do início da reunião com representantes norte-coreanos. O encontro entre as duas delegações durou duas horas.

O ministro também disse que a Coreia do Sul "mostrará sua posição ao Norte", caso Kim Jong-Un queira discutir as ameaças de sanções norte-americanas durante as negociações.

Após a reunião, o presidente do Comitê de Reunificação da Coreia do Norte, Ri Son Gwon, afirmou que os dois países concordaram em discutir os "obstáculos" que podem impedir a realização do encontro.

"Se as questões que levantamos na reunião não forem resolvidas, problemas inesperados podem surgir e assuntos que estão no cronograma podem enfrentar dificuldades", disse, sem especificar quais assuntos foram discutidos entre as duas delegações. //AFP, REUTERS, ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.