Coreias mantêm diálogo 'construtivo' na Indonésia

Os enviados nucleares das Coreias do Sul e do Norte mantiveram na sexta-feira uma conversa cordial na Indonésia, e anunciaram a intenção de retomar o processo multilateral de desarmamento nuclear na península coreana.

MICHAEL MARTINA E OLIVIA RONDONUWU, REUTERS

22 de julho de 2011 | 10h19

A reunião, que durou cerca de duas horas, foi o primeiro contato de alto escalão entre as duas Coreias desde a paralisação das negociações multilaterais, em 2008.

Estados Unidos e Japão, que também participam do processo (junto com China e Rússia), dizem que as duas Coreias devem estabelecer algum tipo de relação antes que o processo possa ser retomado.

"Concordamos em continuar os esforços conjuntos no processo de negociações pela desnuclearização", disse o enviado nuclear sul-coreano, Wi Sung-lac, a jornalistas depois do encontro ocorrido paralelamente a uma conferência asiática de segurança na ilha de Bali. "Tive conversações muito construtivas e úteis com meu homólogo", acrescentou.

Ri Yong-ho, vice-chanceler norte-coreano encarregado da diplomacia nuclear, estava sorridente ao dizer: "Nós nos reunimos como parte dos esforços para retomar as discussões a seis partes o mais rapidamente possível."

Coreia do Sul, EUA e China, anfitriã do processo multilateral, decidiram que o processo deve ser retomado em três etapas, inicialmente apenas com diplomatas de Seul, Washington e Pyongyang.

A Coreia do Norte abandonou as negociações há mais de dois anos, mas em 2010 propôs uma retomada.

Uma fonte norte-americana em Bali disse, pedindo anonimato, que o encontro de sexta-feira foi o contato "mais substancial" entre as duas partes em bastante tempo.

Satoru Satoh, porta-voz da chancelaria japonesa, destacou que a importância da retomada das negociações, pois "a Coreia do Norte é um fator de desestabilização na região".

"O diálogo entre (Coreia do) Norte e Sul deve avançar antes das negociações a seis partes", disse.

A tensão na região atingiu no ano passado seu maior nível em vários anos, quando uma fragata sul-coreana foi atingida por um torpedo e naufragou, causando a morte de 46 marinheiros. Seul atribuiu o incidente à Coreia do Norte, que negou qualquer responsabilidade. Em novembro, a Coreia do Norte bombardeou uma ilha pertencente ao Sul.

(Reportagem adicional de Jack Kim em Seul)

Tudo o que sabemos sobre:
COREIASDIALOGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.