Coreias promoverão reencontro de famílias separadas pela guerra

Cerca de cem famílias se reunirão perto da fronteira dos dois países no fim do mês

Reuters

01 de outubro de 2010 | 09h49

SEUL - As Coreias do Sul e do Norte decidiram nesta sexta-feira, 1º, promover dentro de algumas semanas um encontro entre famílias separadas há mais de 60 anos pela guerra entre os dois países, num ligeiro sinal de distensão entre os dois governos.

As relações entre as duas Coreias vêm se deteriorando desde a posse do presidente sul-coreano, o conservador Lee Myung-bak, em 2008, que cortou a ajuda financeira do país à miserável Coreia do Norte, como forma de pressionar contra o programa nuclear do regime comunista.

A tensão se agravou em março, com o naufrágio de uma corveta sul-coreana, atribuída por Seul e Washington à Coreia do Norte - acusação que Pyongyang país rejeita.

Cem famílias de cada lado serão reunidas a parentes que não veem desde a Guerra da Coreia. O encontro ocorrerá numa localidade montanhosa próxima à fronteira, no lado norte-coreano, entre 30 de outubro e 5 de novembro, conforme acordo alcançado por funcionários dos dois países na sexta-feira.

Essas reuniões haviam deixado de ocorrer em setembro do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.