Coréias se mostram favoráveis a estabelecer um tratado de paz

Para que acordo seja concretizado, Coréia do Norte espera contar com a participação dos Estados Unidos

Efe,

26 de janeiro de 2008 | 12h50

A Coréia do Norte se mostrou favorável a estabelcer um tratado de paz definitivo com a Coréia do Sul que conte com a participação dos Estados Unidos, informou neste sábado, 26, a agência sul-coreana Yonhap.   "Este é o momento adequado para avançar em direção a um tratado de paz" que "diminua a tensão militar e assegure um regime pacífico na Península de Coréia", indicou o periódico Rodong Sinmun, órgão oficial do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, veículo freqüentemente usado pelo regime comunista.   O jornal indicou que os "Estados Unidos deveriam prosseguir na tentativa de estabelecer um tratado de paz, assim que for possível".   Em outubro, o presidente sul-coreano, Roh Moo-hyun, e o líder norte-coreano, Kim Jong-il - numa histórica cúpula em Pyongyang -, concordaram em impulsionar a "paz permanente" na Península, dividida desde o final da Guerra da Coréia, em 1953, que terminou com um tratado armistício, mas não com um acordo de paz.   Os dois líderes se mostraram favoráveis a um tratado de paz que deverá ser negociado com a participação de "três ou quatro" países: a princípio as duas Coréias, Estados Unidos e possivelmente China, embora não tenham sido citados expressamente.   Mas, no dia 25 de fevereiro, Roh deixará de ser o presidente sul-coreano e será substituído pelo conservador Lee Myung-bak, mais duro em suas posições em relação à Coréia do Norte e oposto a qualquer negociação de paz a menos que seja totalmente desmantelado o arsenal nuclear norte-coreano.   Lee se mostra reticente em negociar com rapidez um tratado de paz entre as duas Coréias.   Desde a Guerra da Coréia (1950-53), os dois países estão tecnicamente em conflito por não terem assinado mais que um acordo armistício.   A separação das Coréia aconteceu, de fato, no final da Segunda Guera Mundial (1939-45), quando foram divididas em um bloco comunista e outro capitalista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.