REUTERS/Mohammed Salem
REUTERS/Mohammed Salem

Coronavírus afeta gravemente direitos das crianças no mundo, adverte ONG

Suspensão das campanhas de vacinação contra o sarampo em 23 países já afetou mais de 78 milhões de crianças menores de 9 anos; trabalho infantil e casamento forçado também preocupam

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2020 | 10h16

Os direitos das crianças são "gravemente afetados" pela crise da covid-19 em quase todo o mundo, uma vez que a pandemia aumenta o risco de haver trabalho e casamentos infantis forçados, alertou nesta terça-feira, 25, uma ONG internacional com sede em Amsterdã.

As consequências econômicas da pandemia e as medidas impostas pelos governos para conter a propagação da doença "têm um impacto desastroso sobre muitas crianças", advertiu a ONG de defesa dos direitos infantis KidsRights. 

"Esta crise joga por terra anos de progresso no bem-estar das crianças", diz em comunicado o fundador e presidente da ONG, Marc Dulleart. O fechamento de escolas tornou os jovens "muito vulneráveis" ao trabalho e casamento infantil, destaca a organização.

A pressão sobre o sistema de saúde também interrompeu alguns programas de imunização contra doenças como poliomielite e sarampo, e "provocará um aumento da mortalidade infantil, com centenas de milhares de mortes adicionais", afirma a KidsRights. 

Segundo a ONG, a suspensão das campanhas de vacinação contra o sarampo em 23 países já afetou mais de 78 milhões de crianças menores de 9 anos.

Dispensar uma atenção especial aos direitos das crianças é "mais necessário do que nunca", assinala Dulleart. 

A Islândia ocupa o primeiro lugar na listagem anual, sobre a base de dados da Organização das Nações Unidas, seguida da Suíça e Finlândia. Chade, Afeganistão e Serra Leoa ocupam as últimas posições. Os dados constam da publicação do KidsRights Index 2020, que classifica 182 países segundo o respeito a estes direitos.  / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.