Paolo Miranda/AFP
Paolo Miranda/AFP

Coronavírus circula na Itália desde novembro, diz estudo

Estuda descobre que garoto de 4 anos testou positivo 3 meses antes de o primeiro caso ser notificado oficialmente

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2020 | 20h32

ROMA - Pesquisadores da Universidade de Milão concluíram que o coronavírus já circulava na Itália em novembro de 2019, o que sugere que ele se espalhou antes do que foi registrado oficialmente. Em estudo publicado nesta quarta-feira, 9, no site do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, eles confirmam que um garoto de 4 anos testou positivo.

O menino, que vive em uma cidade nos arredores de Milão, sentiu os primeiros sintomas no dia 21 de novembro. Com tosse, vômito e problemas respiratórios, ele deu entrada no hospital no dia 30. Em 5 de dezembro, os médicos diagnosticaram como sarampo e recolheram material biológico da garganta. Alguns dias depois, a criança se curou, mas o cotonete, como de costume, ficou guardado no freezer a -80ºC no laboratório da universidade. 

A ideia de examinar novamente material biológico da época, segundo os pesquisadores, surgiu depois que autoridades encontraram traços de coronavírus em amostras de água tratada de Milão, Turim e Bolonha, em dezembro e janeiro. 

Os pesquisadores disseram que não foram capazes de determinar a origem do vírus, já que a amostra foi retirada da garganta, em vez do nariz. Mas o garoto não havia viajado para fora da Itália na época do diagnóstico, o que sugere que o vírus já estava circulando pela Europa no fim do outono, três meses antes do primeiro caso ser registrado oficialmente na Itália.

“A disseminação de longo prazo e não reconhecida do coronavírus no norte da Itália ajudaria a explicar, pelo menos em parte, o impacto devastador e o curso rápido da primeira onda de covid na Lombardia”, escreveram. 

A China vem tentado emplacar a teoria de que o contágio começou na Itália – e não em Wuhan. Autoridades chinesas apontam para outro estudo que sugere que o vírus pode ter se espalhado pelo sul da Europa em setembro. Os cientistas, no entanto, afirmam que, mesmo que o vírus tenha chegado à Itália antes do que se sabia, isso não exclui que o surto originário tenha sido na China. / AP e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.