Elizabeth Sidiropoulos/Arquivo Pessoal
Elizabeth Sidiropoulos/Arquivo Pessoal

Coronavírus deveria acelerar reformas em instituições internacionais, diz pesquisadora

Pesquisadora da África do Sul afirma que países precisam ser proativos e propor soluções viáveis e práticas para melhorar agências internacionais como a OMS

Entrevista com

Elizabeth Sidiropoulos, diretora executiva do Instituto Sul-Africano de Assuntos Internacionais

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2020 | 09h00

A pandemia do novo coronavírus, que já infectou mais de 1,8 milhão de pessoas e deixou 114 mil mortos, deve ser vista como um alerta para a comunidade internacional se unir, fortalecer ações multilaterais e enfrentar junta problemas globais, ao contrário do que se vê no momento, em que países têm decidido agir isoladamente contra a covid-19. A avaliação é de Elizabeth Sidiropoulos, diretora executiva do Instituto Sul-Africano de Assuntos Internacionais, centro de estudos regionais e globais baseado em Joanesburgo. 

"O vírus não é racista, não se importa com gênero e não precisa de passaporte. Ele é um alerta para melhorarmos as nossas ferramentas para lutar coletivamente contra pandemia", afirmou. "Se um país falhar, vai prejudicar outros também". Com 26 anos nas áreas de política e relações internacionais, Sidiropoulos defende que os países usem esse momento para propor melhorias no funcionamento de instituições internacionais, como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras agências das Nações Unidas, incluindo a possibilidade de serem mais 'executivas'. 

Abaixo, a entrevista completa. 

Que mensagem o coronavírus deixa para a comunidade internacional em termos de cooperação e multilateralismo? 

Vivemos há algum tempo a crise do multilateralismo. Alguns países têm virado as costas para ele, vendo-o como uma forma de redução de seus poderes como Estados independentes. O mais notável é os Estados Unidos de Donald Trump. Países ignorando ou criticando recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) agora são exemplos mais aparentes. Tivemos também situações de países negando o Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas. Mas foi o multilateralismo o responsável por manter a paz no mundo durante a maior parte do tempo, criando regras e normas que foram sendo melhoradas, ainda que haja falhas. 

Por que há esse momento de crítica e essas crises? 

Muitas das instituições internacionais foram estabelecidas há mais de 70 anos, no pós-guerra. Elas precisam de mudanças. Mas o mundo político não fez isso, nem mesmo quando tínhamos governos que acreditavam no multilateralismo, como o de Barack Obama. As instituições sempre estiveram lá à nossa disposição. Não é culpa delas. É culpa dos membros individuais. São eles que se sentem às mesas, que podem falar e votar. É responsabilidade deles. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Organizações como a OMS só têm o poder que os Estados-membros permitem que elas tenham. A OMS tem seus regulamentos internacionais que cada país precisa expressar se vai ou não obedecer, mas há limitações.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

As sedes regionais precisam ser fortalecidas. É preciso dizer que houve melhoras na OMS, ela não é a mesma que enfrentou o surto de ebola há alguns anos. Mas é preciso incrementar o seu financiamento para fortalecer os sistemas de saúde públicos, por um exemplo. O vírus não é racista, não se importa com gênero e não precisa de passaporte. Ele é um alerta para melhorarmos as nossas ferramentas para lutar coletivamente contra pandemia. Se um país falhar, vai prejudicar outros também. 

Esse momento que vivemos de uma pandemia global é uma oportunidade nesse sentido?

Esse é o momento de os países serem mais proativos, especialmente os africanos, e oferecerem soluções práticas e viáveis para reformar o sistema internacional e organizar coalizões para atingir esse objetivo. Não adianta só ficar reclamando, é preciso colocar as ideias na mesa, especialmente no contexto dessa emergência global de saúde. Que mecanismos podemos introduzir para melhorar a habilidade dessas instituições de tomarem decisões, de olharmos com mais proximidade para a saúde pública global? É uma oportunidade política natural.

Para Entender

O que é e para que serve a Organização Mundial da Saúde (OMS)

OMS cria os padrões mais importantes da área da saúde; caráter mais importante é técnico-científico

Qual o saldo da covid-19 nesse ponto?

A covid-19 mostrou que é necessário ter cooperação. Cooperação entre regiões, entre países, entre organizações. Levantar muros não vai adiantar. Desafios transnacionais não podem ser combatidos com a criação muros. É preciso ação coletiva e respeito à soberania dos países. É essa a mensagem poderosa do coronavírus. As instituições precisam ter mais possibilidade de agir e mais recursos.

Deveriam ter poderes de execução mais fortes. Na China, se a OMS tivesse agido mais cedo, teria ajudado um pouco mais. Outro exemplo é na área de não-proliferação de armas nucleares. Esse sistema opera a partir da boa vontade, mas se você assina um tratado, precisa ter obrigações. Se algum país não quer deixar entrar os inspetores, como às vezes acontece, isso é um problema.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Com essas reformas, poderíamos lutar melhor contra problemas como pobreza, desigualdade, discriminação e mudanças climáticas. 
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

Quais as dificuldades de fazer isso?

Reformar instituições é algo altamente político. Mas é importante conseguir colocar as ideias na mesa e explorar a capacidade de criar coalizões entre países. Uma coalizão do Sul Global (países em desenvolvimento ou subdesenvolvidos do Hemisfério Sul), por exemplo. E também é importante olhar para a União Europeia em alguns aspectos porque é um interlocutor muito poderoso dentro dessas instituições. 

Criar uma frente ampla e tentar implementar reformas que deem um pouco mais de 'dentes' para as entidades nos permitiria avançar. Para os países mais poderosos como China, Estados Unidos, é possível operar por outras regras, mas e para a maioria dos outros?

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Se as regras globais se enfraquecem, os países menores e menos poderosos têm mais riscos e estão mais vulneráveis.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

Os países da África serão os mais atingidos, principalmente em termos de trabalhos humanitários e manutenção da paz. Por isso o multilateralismo é muito importante. E é preciso engajar outros atores em termos de reformas. A China, por exemplo, sempre apoiou o Sul Global. 

Nesse ponto, como vê a coordenação entre os países africanos para lutar contra a pandemia? 

A mobilização dos países em torno da covid-19 foi boa, houve medidas proativas e os governos estão avançando. O vírus também demorou um pouco mais para chegar aqui, tivemos mais tempo e sorte. Hoje, todos os países estão tomando alguma medida contra o coronavírus. Houve encontros de ministros da Saúde, de ministros da Economia, presidentes de Bancos Centrais, para debater os custos econômicos e sociais do vírus. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças da África tem tido um papel importante. 

A União Africana fez reuniões virtuais e levou suas demandas ao encontro do G-20. Tem havido muita coordenação e é uma resposta regional colaborativa, com troca de informações sobre desenvolvimento de vacinas, lições aprendidas em outras nações e intercâmbio dos melhores métodos para identificar quem teve contato com o vírus, por exemplo. Os mecanismos regionais têm ajudado nessas instâncias, inclusive para prover financiamentos para os países com infraestrutura mais deficitária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.