REUTERS/Sebastian Castaneda
REUTERS/Sebastian Castaneda

Coronavírus pode devastar o mundo em desenvolvimento, dizem especialistas

EUA e Itália ainda são as linhas de frente da pandemia global, mas epidemiologistas alertam que o coronavírus está prestes a se espalhar perigosamente pelas nações mais pobres

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2020 | 15h02

O Peru tentou fazer tudo certo. As autoridades declararam um bloqueio nacional antecipado - e o apoiaram com 16.000 prisões de quem saiu às ruas. No entanto, os casos confirmados do novo coronavírus estão aumentando, quase 60% desde o fim de semana passado.

No Egito, observadores dizem que um governo repressivo está subestimando os infectados. No Brasil, onde o presidente classificou o maior surto da América Latina de "fantasia", os números estão subindo rapidamente.

Os hospitais de Nova York e as vilas italianas ainda são as linhas de frente da pandemia global. Mas epidemiologistas e outros especialistas em saúde pública dizem que o coronavírus está prestes a se espalhar perigosamente para o sul, sufocando nações em desenvolvimento já afetadas por sistemas de saúde desgastados, governos frágeis e populações pobres para as quais o distanciamento social pode ser praticamente impossível.

Eles alertaram para uma crise global ampliada nas próximas semanas, atingindo as nações que menos podem pagar, no momento em que os países ricos provavelmente estão preocupados demais com seu próprio surto para oferecer o tipo de assistência que prestaram durante episódios de doenças que estavam confinadas ao mundo em desenvolvimento. 

Acrescente a extrema densidade populacional e as precárias condições sanitárias em vastas favelas urbanas, e especialistas alertam que a dor da pandemia está prestes a se inclinar rapidamente de países mais ricos para países mais pobres.

"Daqui a três a seis semanas, a Europa e os EUA continuarão agonizando - mas não há dúvida de que o centro se mudará para lugares como Mumbai, Rio de Janeiro e Monróvia", disse Ashish Jha, diretor do Instituto Global de Saúde de Harvard . "Precisamos estar muito preocupados."

Não se sabe se o vírus diminuirá à medida que a primavera e o verão chegarem ao Hemisfério Norte. Mas, se assim for, existe uma preocupação crescente de que continue a crescer e se espalhar no inverno do Hemisfério Sul, aumentando o potencial de retransmissão para a América do Norte, Europa e Ásia ainda este ano.

"Certamente há um risco significativo", disse Stephen Morisson, diretor do Centro Global de Políticas de Saúde do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. “É um vírus altamente veloz e altamente transmissível, que deve continuar sua circulação em todo o planeta. Mais à frente, à medida que nos aproximamos da próxima onda - inverno 2020-2021 - precisamos nos preocupar com a importação do vírus do Hemisfério Sul.”

A pandemia já está afetando algumas das nações mais pobres do mundo com seu maior desafio econômico em décadas. As perdas de renda no mundo em desenvolvimento devem exceder US$ 220 bilhões, alertaram as Nações Unidas na segunda-feira. Quase metade de todos os empregos na África pode ser perdida.

Os ricos governos europeus estão pagando aos trabalhadores com licença a maior parte de seus salários, e milhões de americanos que perderem seus empregos terão acesso a benefícios de desemprego. Mas bilhões de pessoas na África, sul da Ásia e partes da América Latina e do Caribe trabalham na economia informal, vivendo a vida às margens, com pouca ou nenhuma rede de segurança social.

São vendedores ambulantes, faxineiros, motoristas de moto-táxi. Eles vivem do que ganham pelo dia. Eles freqüentemente carecem de propriedade ou poupança. Água corrente. Geladeiras. Eles estão sendo instruídos a se distanciar socialmente enquanto dormem em quartos amontoados em alguns casos com uma dúzia ou mais de pessoas.

Umm Muhammad, mãe solteira em Alexandria, Egito, vive sem salário desde que o surto forçou a fábrica de roupas onde ela trabalhava a fechar três semanas atrás. 

"Somos as pessoas que estão abaixo do fundo do poço", disse ela. "Agora estamos perecendo."

No Egito, especialistas temem que o número de infectados possa ser pelo menos 10 vezes maior que os 609 confirmados pelo governo. As autoridades contestam essas estimativas e forçaram um jornalista ocidental a deixar o país em março por publicá-las.

Sem seu salário mensal de US$ 75, Umm Muhammad reduziu a carne e os legumes para sua família. Agora ela está lidando com uma decisão crítica: gastar suas reservas limitadas em alimentos ou a máscara que os médicos recomendam para sua filha com câncer. Uma máscara de alta qualidade custa 100 libras egípcias, ou quase US$ 7.

"Se eu for usar cem libras, devo usá-la para comprar uma única máscara facial para minha filha ou para comprar comida?" ela perguntou. "E onde posso conseguir dinheiro agora?"

A Índia, uma das primeiras nações do mundo a impor regras de distanciamento social, registrou 1.397 casos de covid-19. Analistas dizem que o sistema de saúde não estaria equipado para lidar com números maiores. O país possui 0,5 leitos hospitalares para cada 1.000 pessoas, segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Os Estados Unidos têm 2,8. A Coreia do Sul tem 12,3.

Especialistas dizem que não há contagem oficial de leitos de terapia intensiva ou ventiladores. O anestesiologista de Mumbai Atul Kulkarni, editor do Indian Journal of Critical Care Medicine, estimou que existem cerca de 67.000 leitos de terapia intensiva no país, de 1,3 bilhão de pessoas. Recursos em nível estadual mostram um quadro mais sombrio: um estudo descobriu que Madhya Pradesh, lar de mais de 70 milhões de pessoas, tinha apenas 1.816 leitos de terapia intensiva.

Um aumento nas infecções sobrecarregaria rapidamente esses recursos. No pior cenário, um grupo de epidemiologistas e bioestatísticos previu que a Índia poderia ter 915.000 infecções até 15 de maio. Para se preparar, a Índia proibiu a exportação de bens que poderiam ser cruciais na luta contra o coronavírus, incluindo ventiladores, máscaras cirúrgicas e a droga hidroxicloroquina, anti-malária, agora sendo estudada como um possível tratamento para a covid-19 - uma decisão que poderia complicar a capacidade de outras nações em desenvolvimento para obtê-las.

Ibrahima Soce Fall, diretor geral assistente da Organização Mundial da Saúde para resposta a emergências, disse que a extensão em que o vírus se espalha em um país depende de como as autoridades gerenciam seus primeiros grupos - "e muitos países não estão respondendo bem". Um aspecto importante, segundo ele, é que surtos de doenças como o Ebola treinaram alguns países em desenvolvimento para seguir atentamente os conselhos da OMS - algo que muitos agora estão fazendo rigorosamente.

"No Congo, estávamos lidando com mais de 6.000 alertas por dia durante o recente surto de Ebola", disse ele. “É claro que o Congo ou outros não seriam capazes de lidar com um enorme surto de covid-19. É por isso que o começo é tão crucial."

O Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial estão se movendo para oferecer bilhões de dólares em empréstimos de emergência a países pobres e de renda média. Mas eles alertaram que é improvável que seja o suficiente, e alguns países em desenvolvimento exigirão um alívio substancial da dívida.

Os cidadãos de nações pobres que vivem sob governos fracos ou repressivos correm um risco particular de se encontrarem no fundo do mundo global em busca de medicamentos e ventiladores escassos.

Em muitos países, avaliar o alcance do surto continua sendo o desafio mais básico. No Peru, um governo proativo e estável recebeu elogios por testes em rápida aceleração - uma das razões de um recente aumento nos casos confirmados. Enquanto isso, na Bolívia, um governo de transição precário tem dificuldades com capacidade limitada de testes, com média de apenas 12 resultados por dia.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

"Temos alguns países com os quais estamos mais preocupados", disse Jarbas Barbosa, diretor assistente da Organização Pan-Americana da Saúde. "A principal prioridade são lugares como o Haiti, onde eles têm um sistema de saúde muito fraco, e a Venezuela, onde eles têm acesso muito limitado aos medicamentos".

Na Venezuela socialista - onde hospitais quebrados lutam com falta de energia ou água, escassez aguda de remédios e suprimentos e equipamentos que não funcionam - os especialistas estimam que existam menos de 200 leitos de UTIs em funcionamento para um país de aproximadamente 30 milhões. Os críticos dizem que o governo está subnotificando os infectados; pelo menos quatro jornalistas foram presos por denunciarem casos suspeitos.

"Se começarmos a receber um grande número de pacientes, entraremos em colapso", disse Maria Eugenia Landaeta, chefe do departamento de doenças infecciosas do Hospital Universitário de Caracas. "Longas filas de pacientes esperando, todas as camas cheias e pacientes que não poderemos hospitalizar. Resumindo: caos total. ”

No mundo em desenvolvimento, a pandemia está estabelecendo um vasto fosso entre pequenos enclaves de elites ricas e as massas pobres. Nos bairros ricos de Nairóbi, por exemplo, os restaurantes estão fechados, as ruas estão desertas e as despensas e freezers de grandes casas atrás de condomínios fechados são estocados com comida por semanas. Mas as vastas favelas da cidade, onde vive a maioria de seus 4 milhões de habitantes, continuam movimentadas por necessidade.

Enquanto isso, o toque de recolher do anoitecer ao amanhecer - com o objetivo de incentivar o distanciamento social - serviu para as forças de segurança desencadearem espancamentos e uso de gás lacrimogêneo contra a população, e encurralar os detidos em grupos.

Joy Okumu, 48 anos, vende tomates para alimentar seus cinco filhos. "Nossas vidas não podem parar", disse ela. “Somos pessoas pobres. Trabalhamos com as mãos e não com o computador. Se tudo parar, nós morremos”.

Alguns países quentes e tropicais estão tentando encontrar conforto na esperança de que climas mais quentes desacelerem ou matem o vírus. Mas a ciência por trás dessa crença permanece não comprovada, dizem os especialistas, e a complacência é uma ameaça.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.