Coronel admite confusão sobre crianças mortas no Iraque

A notícia de uma bomba matando 18 pessoas, a maioria crianças, na terça-feira na cidade iraquiana de Ramadi estava incorreta e originou-se de uma confusão sobre um ataque similar no dia anterior, disseram policiais e moradores nesta quarta-feira. O assassinato de tantas crianças atraiu uma condenação imediata do presidente e do primeiro-ministro, mas o coronel Tariq al Theibani, conselheiro de segurança para a província de Anbar, disse que a notícia era incorreta. "(A bomba) explodiu anteontem", disse ele à Reuters. Ele disse que 18 pessoas, muitas delas crianças, foram mortas na segunda-feira por um suicida que dirigia um carro-bomba, como havia sido reportado. O Exército americano disse que o total de mortos no ataque foi de 15 pessoas. O governo e a polícia do Iraque haviam dito na terça-feira que outra bomba perto de um campo de futebol tinha matado 18 pessoas, a maioria crianças. O Exército dos Estados Unidos, que mantém uma forte presença em Anbar, disse desconhecer tal ataque. Mas informou que seus soldados haviam feito uma explosão controlada na parte ocidental da cidade, perto de um campo de futebol, que havia ferido 30 pessoas, incluindo nove crianças, na tarde de terça-feira. Theibani disse que a confusão pode ter surgido porque as vítimas do carro-bomba de segunda-feira foram enterradas na terça. A forte explosão controlada de terça-feira perto de um campo de futebol pode ter contribuído para aumentar a confusão. As forças militares americanas costumam fazer explosões controladas no Iraque para destruir armas apreendidas ou bombas que não explodiram. Outras fontes da polícia em Ramadi e moradores também confirmaram que a notícia da morte de crianças na explosão de terça-feira era incorreta, e disseram que não houve maiores ataques naquele dia em Ramadi. Segundo um comunicado americano, no ataque de segunda-feira insurgentes mataram 15 iraquianos incluindo mulheres, crianças e dois policiais em um carro-bomba perto de uma mesquita em uma área residencial no noroeste de Ramadi. Theibani culpou a Al-Qaeda pelo ataque de segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.