Corpo de Amy Winehouse é cremado em Londres

Parentes, amigos e namorado da cantora britânica reúnem-se para funeral e pai diz que ela estava mais feliz do que em muitos anos e otimista

, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2011 | 00h00

LONDRES

Cerca de 200 parentes e amigos de Amy Winehouse reuniram-se ontem para o funeral da cantora. Seus pais fizeram questão que a tradicional cerimônia judaica fosse o mais privada possível. Apesar das tentativas de manter o público longe, o caminho até a entrada do cemitério Edgwarebury ficou tomado por fotógrafos e fãs. Em seguida, ela foi cremada em Golders Green.

O funeral foi concluído com o pai de Amy, Mitch, dizendo "boa noite, meu anjo, durma bem; papai e mamãe te amam muito". Um porta-voz da família disse que a música So Far Away, da cantora Carole King, foi tocada no final da cerimônia. Era a canção favorita de Amy. Entre os convidados estavam o namorado da cantora, o diretor de cinema Reg Traviss, seu estilista Alex Folden, o produtor Mark Ronson e a cantora Kelly Osbourne.

O ex-marido de Amy, Blake Fielder-Civil, que cumpre 2 anos e 6 meses de prisão por roubo e posse de arma de fogo falsa, não obteve permissão das autoridades penitenciárias para participar do funeral. Segundo a imprensa, Mitch Winehouse havia advertido por meio de amigos que ele não se aproximasse, já que o culpa por iniciar a filha nas drogas que a levaram ao estilo de vida autodestrutivo.

Na cerimônia, Mitch disse que nos últimos meses sua filha estava mais feliz do que tinha estado em anos e previa um futuro com Traviss, com quem ela namorava havia dois anos. Traviss rejeitou a hipótese de que Amy tenha morrido de overdose. "Ela estava cheia de vida e muito otimista, fazendo exercícios e ioga todos os dias", disse ao The Sun.

Depois da cremação, parentes e amigos partiram para uma sinagoga no norte de Londres, para uma cerimônia religiosa.

A cantora de 27 anos, que lutava contra o vício do álcool e das drogas, foi encontrada morta em casa por um segurança no sábado, no bairro boêmio de Camden Town, onde nasceu e foi criada. / AP, REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.