Middle East Monitor / Reuters
Middle East Monitor / Reuters

Corpo de jornalista Jamal Kashoggi foi dissolvido, diz Turquia

Governo turco afirma que restos mortais de jornalista da Arábia Saudita foram desmanchados em substância química; presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirma que ordem para matar Kashoggi veio do "alto escalão" saudita

O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2018 | 19h32

O corpo do jornalista Jamal Khashoggi, assassinado há um mês no consulado da Arábia Saudita em Istambul, foi esquartejado e dissolvido em uma substância química, afirmou nesta sexta-feira, 2, Yasin Aktay, assessor da presidência da Turquia, ao jornal Hürriyet.

“Sabíamos que o corpo de Khashoggi tinha sido desmembrado, mas agora vemos que não só o esquartejaram, mas também o dissolveram”, declarou Aktay, assessor da cúpula do governante Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e amigo de Khashoggi.

Os assassinos do jornalista, um crítico do regime saudita e que vivia exilado nos Estados Unidos, desmembraram o corpo para que fosse dissolvido com mais facilidade. Os criminosos formavam um comando de aproximadamente 15 agentes enviado por Riad. O príncipe-herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, é apontado pela Turquia como o mandante do crime.

“De acordo com as últimas informações, a razão pela qual ele foi cortado em pedaços foi para poder dissolvê-lo mais facilmente. O objetivo era não deixar vestígios do corpo”, acrescentou Aktay.

O Ministério Público da Turquia confirmou  na quarta-feira (1) que o corpo do jornalista tinha sido esquartejado. “Isto é o que também revela a declaração do Ministério Público. Não há nada razoável que possa responder a isso. Matar uma pessoa inocente é um crime, tratar o corpo assim é outro crime e uma vergonha”, acrescentou Aktay.

“(O corpo) foi procurado em todos os lugares que aparecem no sistema de câmeras de vigilância, mas não foi encontrado. O que há são indícios”, acrescentou o assessor de Erdogan.

O Ministério Público de Istambul prometeu que continuará investigando o caso, apesar da pouca colaboração demonstrada pelo procurador-geral do reino saudita encarregado do caso, que esteve nesta última semana em Istambul.

Ordem superiores

Nesta sexta-feira, 2, Erdogan, disse que a ordem para assassinar Khashoggi veio do “mais alto escalão” do governo da Arábia Saudita. “Sabemos que os executores estão entre os 18 suspeitos detidos na Arábia Saudita. E sabemos que a ordem para matar Khashoggi veio dos mais altos níveis do governo saudita”, escreveu Erdogan em um artigo no jornal Washington Post. 

No entanto, o presidente turco isentou o rei Salman de qualquer responsabilidade sobre o crime. “Gostaria de enfatizar que Turquia e Arábia Saudita têm relações amistosas e não acredito, por um só segundo, que o rei Salman, guardião das santas mesquitas, tenha ordenado o assassinato de Khashoggi.”

Justiça para Jamal

Khashoggi, de 59 anos, estava estabelecido nos Estados Unidos e colaborava com o jornal Washington Post. Ele desapareceu em 2 de outubro no consulado saudita em Istambul, onde ingressara para  recolher documentos necessários para poder se casar com sua noiva turca, Hatice Cengiz, que o esperava do lado de fora do prédio.

Em um artigo publicado nesta sexta-feira no Post, Cengiz faz um sensível relato de seu estado de angústia desde sua espera pela saída de Khashoggi na porta do consulado, em Istambul. Nesta sexta-feira, as Nações Unidas observam o dia internacional do fim da impunidade aos crimes contra os jornalistas.

Cengiz faz um apelo para a comunidade internacional, sobretudo aos Estados Unidos e aos países europeus, para tomar ações práticas e sérias para que a verdade seja revelada e para que os responsáveis pelo crime sejam levados à Justiça. “Eu exijo justiça para meu amado Jamal.”

“Enquanto eu escrevo este artigo, o gabinete do chefe do Ministério Público de Istambul fez um anúncio oficial. Ele disse que os agentes sauditas estrangularam Jamal e desmembraram e destruíram seu corpo”, sublinhou Cengiz. “Que (ato) de barbaridade e de crueldade. Que crime ele cometeu para fazerem isso? Qual a razão para assassiná-lo com tamanha brutalidade? Não há explicação para esse ódio”, completou.

Cengiz argumenta que a repercussão internacional do crime se deve ao fato de ter sido Khashoggi uma “voz mundialmente significante”. “Acima de tudo, ele foi um campeão da bondade e da decência. Ele nos ajudou a entender as relações do Oriente Médio“, afirmou. “Agora, com sua morte, os princípios pelos quais ele lutou em vida tão apaixonadamente vieram à luz. Democracia, liberdade e direitos humanos. As crenças fundamentais de que todo povo deve escolher seus líderes por meio de urnas eleitorais.”/ EFE e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.