Corpo do rei Sihanouk chega ao Camboja para funeral

O corpo do rei do Camboja, Norodom Sihanouk, que faleceu na segunda-feira em Pequim aos 89 anos, chegou nesta quarta-feira a Phnom Penh, recebido por centenas de milhares de cambojanos, que foram às avenidas da capital cambojana se despedir do monarca. Sihanouk morreu após um ataque cardíaco, internado em um hospital de Pequim. Sihanouk era o último líder sobrevivente do Sudeste Asiático que liderou um país após a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria. Ele governou o Camboja como rei entre 1941 e 1955 e depois entre 1993 e 2004 como monarca constitucional. Além disso, governou o país como primeiro-ministro vitalício e auto-designado entre 1955 e 1970. Sihanouk foi acusado de ser colaborador e títere do ditador Pol Pot e do grupo maoista Khmer Vermelho, que assassinou 1,7 milhão de cambojanos entre 1975 e 1978, em um dos maiores genocídios do século passado.

AE, Agência Estado

17 de outubro de 2012 | 14h13

Um Boeing 747 fretado pelo governo chinês, aliado de Sihanouk durante a maior parte da vida do falecido monarca, providenciou o transporte do corpo de Pequim à capital cambojana. O corpo foi acompanhado pela rainha viúva, Monineath. Também estavam no avião o filho e sucessor de Sihanouk, o rei Sihamoni, e o primeiro-ministro do Camboja Hun Sen. O corpo foi levado do aeroporto ao Palácio em procissão. Durante três meses, o corpo fica exposto no Palácio, onde seus súditos poderão prestar as últimas homenagens. Após esse período o corpo do monarca será cremado, de acordo com o ritual budista.

A multidão, formada também por monges e soldados, estava vestida de branco, cor que na religião budista significa o luto. A polícia de Phnom Penh estima que 200 mil pessoas receberam o corpo de Sihanouk.

Apesar do papel polêmico de Sihanouk na história cambojana, a população parecia muito triste como a morte do rei, principalmente os mais velhos. "Eu precisava vir aqui, ver o corpo e rezar, porque o rei só morre uma vez, não duas", disse Khy Sokhan, uma mulher de 73 anos, que estava em uma cadeira de rodas perto do Palácio.

"Eu estou triste com a morte do rei, é claro, Mas também estou feliz porque deu para ganhar mais dinheiro", disse Mom Khak, um vendedor de incensos e velas de 23 anos. Ele disse que rezou na noite de ontem ao espírito do rei falecido para faturar mais nesta quarta-feira. Khak disse que conseguiu vender US$ 60 hoje, dez vezes mais do que consegue faturar em um dia comum.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.