Corpo é encontrado no carro do pai de Qian

Cadáver pode ser da mãe da menina de 3 anos abandonada na Austrália

EFE E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2020 | 00h00

Wellington - A polícia neozelandesa informou ontem ter encontrado o corpo de uma mulher asiática no porta-malas de um carro em Auckland, principal cidade da Nova Zelândia. O cadáver pode ser da mãe de Qian Xun Xue, de 3 anos, que foi encontrada no sábado chorando sozinha em uma estação de trem de Melbourne, na Austrália. A polícia não confirmou a identidade do corpo, mas revelou que o carro estava registrado em nome do pai, Michael Xue, de 54 anos, dono de um jornal dirigido à comunidade chinesa local. O veículo estava estacionado na frente da casa da família em Auckland. Assim, a investigação, que até então era uma busca por pessoas desaparecidas, passa a ser de um caso de assassinato.A mãe de Qian, Annie Anan Liu, de 27 anos, foi vista pela última vez no dia 11, quando foi a uma creche para buscar a filha. Dias depois, seu carro apareceu estacionado no aeroporto de Auckland, mas seu nome não constava na lista de passageiros de nenhum vôo. Como está desaparecida há mais de dez dias e não apareceu quando a filha foi encontrada, a polícia não acredita que a mãe esteja viva.O pai embarcou com a filha no aeroporto da cidade, com destino a Melbourne, na quinta-feira. Dois dias depois, foi flagrado pelas câmeras de vídeo de uma estação de trem da cidade abandonando a menina. A polícia afirma que, em seguida, ele deixou a Austrália, no mesmo dia, em vôo para Los Angeles, nos EUA. O caso vem mobilizando policiais australianos, americanos, neozelandeses e agentes da Interpol.Segundo autoridades neozelandesas, Xue é um homem violento, que batia na mulher. Há alguns meses, ela decidiu abandoná-lo, foi para um centro de apoio a vítimas de abuso e afirmou a amigos que queria voltar para a China. Uma outra filha de Xue, uma jovem de 20 anos que constava como desaparecida havia cinco anos, entrou em contato com a polícia local e está cooperando com as investigações.Enquanto o mistério não é solucionado, a garotinha, que recebeu da imprensa australiana o apelido de "Pumpkin" (abóbora, em inglês), por causa da cor da roupa que usava quando foi encontrada, permanece sob sob cuidados de uma família adotiva em Melbourne. Pansy Wong, um deputado neozelandês de origem chinesa, disse ontem que a avó de Qian, que mora na China, irá à Austrália buscar a neta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.