Corpos de líderes voltam à Polônia após acidente aéreo

Centenas de poloneses se reuniram hoje no Aeroporto de Varsóvia, onde foram realizadas duas cerimônias de homenagens para receber 35 corpos de vítimas do desastre aéreo ocorrido na Rússia, semana passada. No acidente, morreram o presidente do país, Lech Kaczynski, e outras 95 pessoas. Nesta quinta-feira, voltou a Varsóvia o corpo do último líder do governo polonês no exílio em Londres, Ryszard Kaczorowski, de 90 anos. Ele participava da comitiva que acompanhava Kaczynski à Rússia, onde assistiriam a uma homenagem a militares poloneses mortos pelos soviéticos na Segunda Guerra Mundial.

AE-AP, Agência Estado

15 de abril de 2010 | 18h29

O governo polonês no exílio foi estabelecido após a invasão nazista da Polônia em 1939 e funcionou em Londres ininterruptamente até 1990, quando Lech Walesa foi eleito o primeiro presidente após a queda do comunismo. O corpo de Kaczorowski foi levado ao palácio Belvedere de Varsóvia e deverá ser sepultado na segunda-feira.

Os corpos de mais 34 vítimas do acidente aérea foram recebidos hoje também, em uma outra cerimônia. Os corpos foram recebidos pelo primeiro-ministro, Donald Tusk. Entre os corpos que voltaram da Rússia nesta quinta-feira, estavam os de Anna Walentynowicz, uma líder do movimento Solidariedade; do general Tadeusz Buk, o comandante das forças terrestres polonesas e ex-comandante das tropas polonesas no Iraque; de Janusz Kurtyka, chefe do instituto histórico que investiga crimes cometidos na era comunista, entre 1945 e 1989; e de Janusz Kochanowski, comissário de direitos civis.

Os poloneses continuam a formar longas filas perto do palácio presidencial, com esperas de até 13 horas para ver os corpos do presidente Kaczynski e da primeira-dama Maria Kaczynska, que era muito popular. Os corpos deverão ser sepultados domingo na Cracóvia, num funeral que contará com a presença de líderes mundiais, como do presidente norte-americano Barack Obama e do presidente russo Dmitry Medvedev.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.