Corpos de supostas vítimas de massacre podem ser exumados

Os analistas do Exército dos Estados Unidos que investigam o suposto massacre de 24 civis na localidade iraquiana de Haditha, em novembro, pretendem exumar as vítimas para encontrar provas, informou nesta sexta-feira o jornal The Washington Post.Fontes próximas à investigação disseram que a exumação dos cadáveres poderia estabelecer o calibre das balas, a proximidade dos disparos e o trajeto. Os dados ajudariam a determinar eventuais responsabilidades penais no caso. Os peritos do Serviço Naval de Investigação Penal só foram encarregados do caso em 12 de março, quase quatro meses depois do suposto massacre. Fuzileiros navais americanos são acusados de assassinar até duas dúzias de civis inocentes em Hadhita, no ano passado.No dia 19 de novembro de 2005, uma bomba colocada na valeta do caminho por onde passava uma patrulha de "marines" causou a morte do cabo Miguel Terrazas, de 20 anos. Seus companheiros, então, rastrearam a localidade de Haditha, em busca dos responsáveis pelo atentado.O primeiro-ministro do Iraque, Nouri Kamal al Maliki, acusou as tropas americanas de repetido e injustificado uso da força contra civis iraquianos. Ele admitiu estudar o caso de Haditha na próxima reunião do conselho de ministros.O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, prometeu, após uma reunião de seu gabinete, "completas, exaustivas e meticulosas" investigações. "O mundo verá uma investigação plena", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.