Correa acusa oposição por rumores sobre bancos

O presidente do Equador, Rafael Correa, acusou na quarta-feira, 14, seus opositores no Congresso de espalharem rumores de uma crise bancária que reativou temores de repetição do colapso financeiro de 1999 no país. "O setor bancário é o setor mais próspero em nossa economia", disse Correa a repórteres, em uma entrevista coletiva organizada às pressas. "A economia está em ótima forma." O economista de esquerda disse que legisladores de oposição destituídos dos cargos na semana passada por um tribunal eleitoral contrataram uma central de telefonia para espalhar rumores de que o governo estaria planejando fechar o sistema bancário. Em 1999, milhões de equatorianos perderam suas economias depois que o governo ordenou o fechamento e congelou os depósitos para conter o colapso econômico causado pelos baixos preços do petróleo. "Nunca permitiremos outro feriado bancário", disse Correa, em referência à ordem oficial de fechamento dos bancos em 1999. Ele acrescentou que o setor bancário está registrando recordes de lucros e que o governo tem cerca de 2 bilhões de dólares em reservas oriundas do petróleo. CongressoRevoltados com a decisão de destituição, 57 deputados travam uma disputa de poder com Correa para bloquear a convocação de um referendo sobre a limitação dos poderes do Congresso. O congressistas destituídos trocaram empurrões com a polícia na segunda-feira ao tentarem entrar na sede do legislativo. O ex-ministro da Economia reiterou que a economia do quinto maior produtor de petróleo da América do Sul deverá crescer 3,5% neste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.