Kena Betancur/Reuters
Kena Betancur/Reuters

Correa é o oitavo presidente do Equador desde 1997

História de mandatários do país é marcada por mandatos curtos e deposições

estadão.com.br

30 Setembro 2010 | 17h07

Presidente do Equador desde 2007, Rafael Correa é o oitavo mandatário a assumir o Palácio de Carondelet desde 1997. Ele, que deve cumprir mandato até 2011, acusa os opositores de tentarem derrubá-lo com um golpe de Estado depois de a polícia e o Exército tomarem o Congresso, o aeroporto internacional e quartéis de Quito.

 

O economista de 47 anos, partidário da esquerda e aliado do presidente venezuelano Hugo Chávez, propôs uma lei que corta benefícios para os efetivos das Forças Armadas e da polícia de seu país. A iniciativa gerou os protestos que ganharam a atenção da mídia internacional.

 

Os antecessores de Correa também tiveram problemas durante seus mandatos. Abdalá Bucaram, que assumiu em 1996, durou menos de um ano e foi destituído em 1997 pelo Congresso, que o declarou "mentalmente incapacitado" para exercer a magistratura.

 

A vice-presidente Rasalía Arteaga a substituiu brevemente, até que o Congresso designou Fabián Alarcón como presidente interino. Este convocou eleições antecipadas, das quais Jamil Mahuad saiu vencedor.

 

Mahaud assumiu em 1998, mas foi derrubado em janeiro de 2000 após uma rebelião indígena apoiada por um grupo de oficiais do Exército, liderados pelo coronel Lúcio Gutierrez. O militar então assumiu a presidência, que deixou seis meses depois dando lugar a seu vice, Gustavo Noboa, que cumpriu o resto do mandado de Mahaud até 2003.

 

Gutierrez então reassumiu o poder em 2003, mas foi derrubado por protestos populares em 2005. O Congresso declarou o cargo livre em abril daquele ano, e Alfredo Palacio, vice do coronel, cumpriu o resto da magistratura até 2007, quando Correa assumiu.

 

As informações são da agência AFP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.