Correa ordena expulsão de diplomata dos EUA

O presidente do Equador, Rafael Correa, após qualificar de "insolente" uma carta enviada pelo funcionário da embaixada dos EUA Armando Astorga ao Comando-Geral da Polícia equatoriano, decidiu expulsá-lo do país e fixou um prazo para que o faça. "O senhor Astorga tem 48 horas para juntar suas coisas e deixar o Equador. Não vamos aceitar que ninguém nos trate como colônia", declarou.Na carta de 8 de janeiro, divulgada ontem por Correa, o funcionário informa que "ficariam suspensos os US$ 340 mil por ano de apoio logístico e operacional" para a unidade de combate ao contrabando da polícia. "Que o senhor Astorga fique com seu dinheiro sujo. Não precisamos dele, aqui há soberania e dignidade. Fique com seus US$ 340 mil, seu tolo e insolente", disse Correa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.