Correa pode ser reeleito hoje em 1º turno no Equador

O presidente de esquerda do Equador, Rafael Correa, popular por seus programas sociais, é o grande favorito a obter a reeleição nas eleições gerais deste domingo. Ele também deve se tornar o primeiro presidente a ser eleito em 30 anos sem a necessidade de disputar o segundo turno.O pleito foi determinado pela nova constituição que os equatorianos aprovaram em setembro com 64% dos votos e fortalece a posição de Correa e o torna apto a concorrer em 2013 para outro mandato seguido de quatro anos.

AE-AP, Agencia Estado

26 de abril de 2009 | 11h22

O principal rival de Correa é o ex-presidente Lucio Gutierrez que, na quinta-feira, no encerramento da campanha, disse que o governo atual colocou o país andino no caminho da ruína. "Os equatorianos estão fechando seus negócios e indo para os países vizinhos e poucos investidores estrangeiros virão" se Correa for reeleito, disse.

Contudo, o carismático Correa possui 20 pontos de vantagem sobre Gutierrez, segundo a última pesquisa de opinião antes da eleição. Desde que tomou posse em janeiro de 2007, ele triplicou os gastos do estado em educação e cuidado com a saúde, dobrou para US$ 30 o pagamento mensal para mães solteiras e lançou programas de subsídios para pequenos fazendeiros e para as pessoas construírem suas próprias casas. O magnata da banana, Alvaro Noboa, que foi derrotado por Correa em 2006, aparece em um distante terceiro lugar na disputa.

Para obter a vitória hoje sem a necessidade de disputar um segundo turno, um candidato precisa conquistar 50% dos votos mais um ou pelo menos 40% com uma margem de 10 pontos sobre o segundo colocado.

Os equatorianos também vão escolher uma nova Assembleia Nacional - com 124 assentos, sendo que 6 assentos serão diretamente eleitos pelos equatorianos que vivem no exterior - assim como governadores e prefeitos.

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorRafael Correaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.