Correa teme que votos nulos e brancos barrem Constituinte

O presidente do Equador, Rafael Correa, disse temer nesta sexta-feira, 13, que os votos brancos e nulos causem a reprovação de uma consulta popular para a instalação de uma Assembléia Constituinte. O referendo acontecerá no próximo domingo, 15 Como os votos não-válidos são freqüentes no Equador e consultas despertam certo receio na população, estes votos devem incidir diretamente no resultado final. Para que a Constituinte seja aprovada, os votos "sim" devem ser maiores que a soma dos não, nulos e brancos.Segundo a Constituição do país, o plebiscito é aprovado "sempre e quando tenham 50% dos votos mais um, incluindo brancos e nulos, dos votos válidos".Segundo estimativas de analistas políticos, o "Não" poderia barrar a Constituinte se alcançasse 20% de todos os votos.Correa havia dito que obterá uma vitória "esmagadora" no referendo de domingo, mas advertiu que se o resultado for o inverso poderia analisar a possibilidade de deixar seu cargo.O presidente enfrenta uma campanha na mídia iniciada pela oposição para promover o "não" no referendo, uma posição que tem ganhado adeptos sob o argumento de que uma constituinte acabaria com o sistema monetário de dolarização vigente desde 2000 e que geraria caos político e social.Gás no CongressoUm projétil de gás lacrimogêneo foi parcialmente aberto nesta quinta-feira no Congresso equatoriano, por um assessor de um dos 57 deputados destituídos há um mes.Ele levou o recipiente para o edifício, mas a policia evitou que todo o gás do projétil fosse liberado.Os 57 deputados estão se encontrando em hotéis de Quito, e sustentando que estas reuniões correspondem a um Congresso legitimo. Ao mesmo tempo, o Congresso tradicional retomou as sessões, com deputados suplentes que permitem que se chegue a um quorum mínimo de mais de 50%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.