Correa vai a Caracas para discutir uso de herbicidas

A chanceler colombiana, María Consuelo Araújo, e o embaixador do Equador em Caracas, Alejandro Suárez, falaram nesta sexta-feira da visita do presidente eleito equatoriano, Rafael Correa, num momento em que os dois países divergem sobre a política de combate a cultivos ilegais na área da fronteira.A Chancelaria colombiana informou que a ministra recebeu o embaixador Suárez para preparar a viagem de Correa, provavelmente em 22 de dezembro. A chefe da diplomacia disse que aproveitará a visita "para oferecer uma maior compreensão da realidade colombiana, por meio do diálogo construtivo apoiado em números e documentos e buscando alternativas conjuntas".O governo colombiano anunciou na terça-feira a retomada da pulverização de glifosato, por avião, nos territórios do sul, junto à fronteira com o Equador. A estratégia havia sido suspensa há um ano a pedido do governo equatoriano, que alegou prejuízos causados pelo herbicida em cultivos agrícolas e animais.O anúncio causou uma enérgica reação no Equador. Mas Suárez negou ter sido chamado para consultas e disse que há um bom ambiente para superar as divergências.Araújo lembrou que durante a suspensão temporária, a faixa de 10 quilômetros ganhou uma área de 10 mil hectares de cultivos de coca, "combustível para o terrorismo no país".O ministro da Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse que os cultivos ilegais geram US$ 1,9 bilhão para os grupos guerrilheiros que controlam o tráfico de drogas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.