CORREÇÃO-China fecha fábrica que vendia hashis sem desinfetar

As autoridades chinesas fecharam umafábrica de Pequim que vendia até 100 mil pares de hashisdescartáveis por dia sem nenhum tipo de desinfecção, disse umjornal na quarta-feira. O caso cria mais uma preocupação dos consumidores com osprodutos chineses, envolvidos em vários problemas no mundo todonos últimos meses. De acordo com o Beijing News, as autoridades encontraramcerca de 1 milhão de hashis, os pauzinhos usados como talheresna Ásia, e uma máquina que fazia a embalagem. O dono, identificado apenas como Wu, disse que vendia oshashis a 0,04 yuan por par e tinha um ganho médio de mil yuans(130 dólares) por dia. Ele não tinha licença para trabalhar. Muitos dizem que a falta de ética empresarial e um vácuoespiritual após as reformas econômicas iniciadas na década de1970 levam a práticas comerciais inescrupulosas e à corrupção. O prefeito de Guangdong, Zhang Guangning, prometeu fecharempresas que vendam produtos perigosos aos consumidores. Foidessa cidade que saíram milhões de brinquedos defeituosos queagora estão sendo objeto de um "recall" da Mattel. A imprensade Hong Kong diz que o dono da fábrica, que vivia noterritório, se matou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.