Correção: Obama assina lei contra discriminação salarial

A nota enviada anteriormente tem um erro no título, que estava impreciso. Segue um novo texto:O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, firmou hoje uma lei de igualdade de salários. A regra facilita as reclamações de trabalhadores que se sintam discriminados em seus vencimentos no país. Com a nova regra, funcionários que se sentirem discriminados poderão ir aos tribunais com mais facilidade para processar os patrões. Em uma cerimônia na Casa Branca, Obama disse que a lei sustenta o princípio que "todos somos criados em igualdade". "É apropriado que a primeira lei que eu assino, assegure um dos princípios fundamentais desta nação: de que todos somos criados iguais e cada um merece a chance de perseguir sua própria versão de felicidade", disse Obama durante a cerimônia de assinatura da lei."Esta lei é um passo importante, um simples ajuste para garantir a justiça fundamental para os trabalhadores norte-americanos", disse o presidente. A norma leva o nome de Lei do Salário Justo Lilly Ledbetter, referindo-se a uma mulher que descobriu que era discriminada no salário até o final de sua carreira na fábrica Goodyear Tire & Rubber Co. Lilly estava presente à cerimônia de assinatura da medida, que derruba uma decisão da Suprema Corte que dificultava suas exigências na Justiça. A lei anula uma decisão de 2007, segundo a qual os trabalhadores têm apenas 180 dias para entrar com processo por suposta discriminação salarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.