Correção: Paralisada análise de cassação de Blagojevich

A nota enviada anteriormente tinha um erro no título. O texto estava correto e segue novamente. A investigação sobre o impeachment contra o governador de Illinois, Rod Blagojevich, nem bem começou e já sofre atrasos. O legislativo estadual procura orientação dos promotores federais e postergam qualquer ação efetiva até a chegada dos advogados do governador. O advogado do governador, Ed Genson, pretende comparecer à reunião hoje com um comitê da Assembléia Legislativa que irá rever o provável impeachment de Blagojevich e pode fornecer a primeiras pistas sobre a estratégia de defesa do governador democrata.Blagojevich foi detido por agentes do Federal Bureau of Investigation (FBI, a polícia federal dos EUA) na semana passada sob acusação de tentativa de vender a vaga no Senado do presidente eleito Barack Obama. Pela lei, o governador indica um novo ocupante do cargo quando ele está vago.O comitê de impeachment reuniu-se pela primeira vez ontem, mas logo encerraram o encontro. Os integrantes não quiseram começar as discussões até que o advogado do governador estivesse presente, disse a presidente da comissão, Barbara Flynn Currie. Ela também disse que está esperando uma resposta do procurador Patrick Fitzgerald para saber se a comissão terá permissão para ouvir o testemunho de algumas testemunhas sem comprometer a investigação federal contra Blagojevich. Currie afirmou que não tem idéia de quando Fitzgerald vai responder.O Senado de Illinois também encerrou sua reunião ontem sem considerar um plano para preencher a vaga deixada por Obama, por meio de uma eleição especial. Os republicanos acusam a maioria democrata de tentar manter o assento no Senado ao negar ao público o direito do voto, já que o substituto do governador poderia indicar um novo senador, caso Blagojevich deixe o cargo.Os democratas dizem que uma nova eleição custaria até US$ 50 milhões e deixaria o Estado com uma vaga em aberto no Senado até pelo menos o mês de abril. Obama, que não foi acusado de participação no caso, recusou-se a dizer se apóia ou não a realização de uma nova eleição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.