Correspondente de jornal britânico é presa no Zimbábue

Uma jornalista a serviço do diário britânico Daily Telegraph foi presa no leste do Zimbábue e acusada de transmitir notícias falsas sobre violência política e de incitar à violência pública, disse, nesta quinta-feira, seu advogado.As acusações a Peta Thornycroft, de 57 anos, foram feitas pela Organização Central de Inteligência em Chimanimani, a 470 quilômetros a sudoeste da capital, Harare, disse sua advogada Tapiwanashe Kujinga à agência de notícias sul-africana South African Press Association.A pena para tais acusações é de mais de 5 anos de cadeia. Sob o novo Ato de Segurança Pública, qualquer expressão considerada crítica em relação ao governo do presidente Robert Mugabe pode ser considerada ofensa criminosa. Thornycroft, uma zimbabuana que também escreve para dois jornais sul-africanos, o Mail and Guardian e o Business Day, estava investigando denúncias sobre a retomada da violência contra simpatizantes do oposicionista Movimento por Mudança Democrática por parte dos militantes do partido governista, o Zanu-PF.A polícia não quis fazer comentários imediatos sobre a prisão de Thornycroft. Amigos da repórter detida foram à prisão para levar comida e cobertas para ela. Eles esperam que seus defensores possam libertá-la ainda nesta quinta-feira.O editor do noticiário internacional do Telegraph, Alec Russell, declarou que Thornycroft é uma destacada correspondente do jornal no exterior, e que "as acusações contra ela são infundadas, são as mais recentes e cínicas ações de um regime que tenta esmagar qualquer questionamento a seus atos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.