Correspondente estrangeira sofre abuso sexual no Egito

Lara Logan, correspondente estrangeira da emissora norte-americana de televisão CBS, foi vítima de uma "brutal" agressão sexual no Egito enquanto cobria a queda do regime de Hosni Mubarak, informou a rede hoje. "Ela, sua equipe e seus seguranças foram cercados por um perigoso elemento em meio às celebrações. Um grupo de mais de 200 pessoas comemorava euforicamente", segundo nota divulgada hoje pela CBS.

AE, Agência Estado

15 de fevereiro de 2011 | 20h01

"Em meio ao alvoroço, ela foi separada de sua equipe. Depois ela foi cercada por um grupo e acabou vítima de espancamento e de uma brutal agressão sexual antes de ser salva por um grupo de mulheres e de cerca de 20 soldados egípcios", prossegue a nota.

De acordo com a CBS, o incidente ocorreu em plena Praça Tahrir, na região central do Cairo, na última sexta-feira, dia no qual Mubarak renunciou à presidência egípcia depois de quase 30 anos no poder.

Nascida na África do Sul, Lara Logan foi transportada para os Estados Unidos no dia seguinte. "Ela está se recuperando no hospital", informa a CBS.

Ao longo dos últimos anos, Lara Logan cobriu as guerras travadas pelos EUA no Iraque e no Afeganistão e transformou-se em uma das mais famosas correspondentes estrangeiras da tevê norte-americana. Ela trabalha na CBS desde 2006.

Pelo menos 140 jornalistas estrangeiros foram feridos ou mortos no Egito desde 30 de janeiro, segundo o Comitê de Proteção a Jornalistas. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.