Corrida democrata 'só acaba quando termina', diz Hillary Clinton

A corrida pela nomeaçãodemocrata à Casa Branca está quase no fim, não está? Parece ser isso o que todos desejam saber do comitê decampanha da senadora Hillary Clinton, pré-candidata do PartidoDemocrata à Presidência dos EUA. Mas a única pessoa capaz deresponder a essa pergunta continua a manter-se em silênciosobre o assunto. "Eu sou um tipo de pessoa que vive um dia de cada vez. Enós veremos o que acontecerá quando chegar a terça-feira equando vier o dia seguinte à terça-feira", afirmou Hillary abordo de um avião que a levava para o Estado de Dakota do Sul,onde a pré-candidata planeja ficar no último dia cheio dacampanha para as prévias democratas. As duas últimas prévias ocorrem nesse dia, em Dakota do Sule em Montana. "Meu obituário político ainda está para ser escrito, e nóscontinuaremos lutando", afirmou Hillary. "O processo só acabaquando termina." Segundo a maior parte dos relatos, porém, a disputa játerminou. O pré-candidato Barack Obama, que detém uma vantageminsuperável em termos de delegados eleitos durante a corridapela vaga democrata nas eleições presidenciais, pretenderealizar um comício na terça-feira a fim de lançar sua campanhapara o embate de novembro contra o republicano John McCain. O obituário político de Hillary já foi escrito váriasvezes. "O Fim", escreveu o site Drudge Report sob uma foto dapré-candidata fazendo campanha em Porto Rico, no fim de semana. O mesmo evento inspirou a manchete da revista on-lineSalon.com: "Clinton parecia estar fazendo campanha em umarealidade alternativa". Enquanto a vaga do partido nas eleições presidenciaisficava cada vez mais distante das mãos de Hillary, osassessores dela se ocupavam em tentar convencer a todos davitória da pré-candidata. "Ela tem mais votos", insistia o porta-voz Mo Elleithee emPorto Rico. "Hillary Clinton recebeu mais votos do que qualqueroutro democrata que participa da corrida pela Presidência." Essa é uma declaração polêmica já que inclui os votosdepositados nas prévias de Michigan, onde o nome de Obama nemconstou das cédulas, e nas da Flórida, onde nenhum dos doiscandidatos fez campanha. Além disso, a conta deixa de fora osEstados em que Obama venceu e onde se utilizou um sistema deescolha no qual os votos individuais não são auferidos. De toda forma, o número de votos de cada um dospré-candidatos não é computado diretamente no processo deescolha. O que importa é o número de delegados que cada umdeles levará para a convenção do partido. E Obama lidera tantona contagem dos delegados quanto na dos superdelegados, membrosdestacados da legenda que possuem a liberdade de votar em quembem entenderem. "Um fato a respeito dos superdelegados é que eles podemmudar de idéia", lembrou Hillary a repórteres depois dasprévias de Porto Rico, onde a senadora venceu por uma largamargem de votos. O comitê de campanha de Hillary, que deseja convencer ossuperdelegados da tese de que a senadora teria mais chances devencer McCain, espera usar o resultado das prévias de PortoRico para dar sustentação a esse argumento. No entanto, oargumentou perdeu força porque foi baixo o comparecimento àsurnas naquela votação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.