Corrida democrata vai até junho, diz assessor de Hillary

A candidatademocrata Hillary Clinton pode desistir em favor de BarackObama, mas só depois das últimas primárias, no começo de junho,disse um assessor dela na quinta-feira. Terry McAuliffe, chefe do comitê eleitoral, afirmou queHillary e seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, vão apoiarplenamente Obama se ele conquistar o direito de enfrentar orepublicano John McCain na eleição de novembro. Mas, para McCauliffe, Hillary não tem por que parar acampanha, mesmo em desvantagem, antes de 3 de junho, quandotermina a temporada de eleições primárias. Ainda faltam seisEstados. "Ela pode ganhar os Estados dos quais precisamos na eleiçãogeral. Por que Hillary Clinton -- até que haja um indicado como número necessário de delegados -- deveria sair?", argumentouMcAuliffe no programa "Today", da NBC. "Vai acabar no começo de junho. Todos nós dissemos queestaremos juntos no final. Se Hillary não ganhar, Hillary, opresidente Clinton, eu mesmo, estaremos lá ajudando o senadorObama." Faltando eleger apenas 217 delegados nas seis disputasfinais, Hillary não tem chances reais de superar Obama nonúmero de delegados escolhidos (que são obrigados a votar nocandidato que representam). A vitória esmagadora de Obama naCarolina do Norte e a derrota dele por pequena margem emIndiana, na terça-feira, parecem ter acabado de vez com aschances da senadora. O presidente nacional do partido, Howard Dean, também prevêque a disputa acabará só em junho. "Os delegados nãocomprometidos precisam dizer com quem estão até o final dejunho, então vamos saber quem será o nosso indicado no final dejunho." Clinton na quinta-feira viajou para a Virginia Ocidental,próximo Estado a votar, e disse que esta não é a primeira vezque a dão por derrotada. "É um déja vu de novo", disse ela,referindo-se aos apelos que ouviu para que renunciasse até aexpressiva vitória de abril na Pensilvânia. "Teve gente que disse que precisávamos acabar com issoantes que chegássemos à Virgínia Ocidental. Bem, eu não acho",disse a candidata num comício em Charleston. O Estado vota naterça-feira que vem. Uma contagem da MSNBC mostra Obama com 1.850 delegados, aapenas 175 da maioria absoluta e com 150 a mais que a rival. Mesmo vencendo a votação popular, Obama também precisará daajuda dos chamados "superdelegados", cerca de 800 dirigentespartidários e ocupantes de cargos eletivos, que não precisamseguir as urnas. Ainda há cerca de 250 deles não comprometidos. (Reportagem adicional de Steve Holland, David Alexander,Richard Cowan, Thomas Ferraro e Kevin Drawbaugh)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.