Pablo Martinez Monsivais/AP
Pablo Martinez Monsivais/AP

Corrida presidencial se acirra em três Estados-chave dos EUA

Há quatro anos, Obama venceu em Wisconsin, Virgínia e Colorado, mas hoje está em desvantagem

AE, Agência Estado

08 de agosto de 2012 | 16h17

NOVA YORK - Uma apertada disputa pela Casa Branca está tomando forma nos Estados-chave de Wisconsin Virgínia e Colorado, todos vencidos pelo presidente Barack Obama quatro anos atrás. O provável candidato do Partido Republicano à presidência, Mitt Romney, lidera, por 50% contra 45% de Obama, no Colorado, enquanto o democrata aparece na frente do republicano, por 49% a 45%, na Virgínia e 51% a 45% em Wisconsin, de acordo com uma pesquisa Quinnipiac University/New York Times/CBS News, divulgada nesta quarta-feira, 8.

Veja também:

link Obama e Romney trocam farpas e lutam por Estados-chave nos EUA

link Obama chama rival de 'Romney Hood' e acirra tom da campanha

A maioria dos eleitores nos três Estados aparentemente já decidiu seu voto, disse o diretor-assistente da Universidade Quinnipiac, Peter Brown, sugerindo que Obama e Romney disputam um número limitado de eleitores indecisos. "Nove em dez dos pesquisados em cada Estado disseram já terem decidido em que vão votar."

Os eleitores na Virgínia e em Wisconsin veem os dois candidatos bastante próximos sobre a questão de quem é o melhor para colocar a economia nos trilhos - o principal assunto no pleito deste ano. No entanto, Romney está à frente com vantagem de dez pontos porcentuais no Colorado. O levantamento da Quinnipiac, com margem de erro de 2,6 pontos porcentuais para mais ou para menos, foi feito entre 31 de julho e 6 de agosto.

Na semana passada, uma sondagem da Quinnipiac mostrou Obama na frente de Romney em três grandes swing states, como são chamados os Estados sem predomínio democrata ou republicano: Flórida, Ohio e Pensilvânia. Desde 1960, nenhum candidato ocupou a Casa Branca sem vencer em ao menos dois desses Estados.

Com Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.