Corrupção se estende pelo mundo, diz Transparência

A corrupção se estende por todo o mundo, desde a América Latina e Estados Unidos até a Ásia eÁfrica, passando pela Europa e o Oriente Médio, indicou o relatório de 2003 da Transparência Internacional (TI). O relatório foi apresentado nesta quarta-feira em Londres pela organizaçãonão-governamental que luta pela transparência nas instituições.Numerosos países aparecem na lista da TI, por causa dos poucos resultados na luta para combater a corrupção política e financeira. O relatório analisa a gravíssima crise econômica que produziuinstabilidade social na América Latina e perda de confiança na classe dirigente. Na Argentina, Paraguai, Venezuela e Peru, numerosas manifestações cotidianas expressaram a frustraçãodessa região do mundo, na qual a estabilidade parece estar ameaçada.O estudo denuncia que a região continua nas mãos de uma elite econômica que abusa de sua posição de predomínio para obter vantagens ilícitas. Nos EUA, os casos de corrupção foram nos últimos anossobretudo de ordem financeira ou política e alguns foram indiretamente determinados pela luta contra o terrorismo. A falsificação dos balanços das grandes empresas foi um dos delitos mais freqüentes, como o escandaloso caso da Enron, umcolosso financeiro considerado a sétima potência econômica americana.Esse escândalo levou à falência uma série de empresas ligadas em maior ou em menor grau com a Enron, entre elas a WorldCom e a Xerox. No Canadá, um escândalo de caráter ético envolveu o governo liberal do primeiro-ministro Jean Chretién, em maio de 2002. Apesar das acusações de clientelismo e favoritismos contra seugoverno Chretién não renunciou e se limitou a exonerar dois ministros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.