''Cortaremos despesas no Iraque'', diz Obama

Em discurso sobre Estado da União, presidente promete rever contratos

, O Estadao de S.Paulo

25 de fevereiro de 2009 | 00h00

Em seu primeiro discurso anual sobre o Estado da União, no Congresso, o presidente americano, Barack Obama, prometeria ontem - de acordo com trechos do texto antecipados pela Casa Branca - reduzir significativamente os gastos no Iraque, rompendo contratos sem licitação assumidos pelo governo de seu antecessor, George W. Bush. Obama anunciaria ainda a revisão dos gastos do país com defesa. Esses compromissos, segundo Obama, "vêm desperdiçando bilhões" dos contribuintes americanos.Embora fontes do governo tivessem antecipado que Obama anunciaria até o fim da semana a decisão de retirar todas as tropas de combate do Iraque até agosto de 2010 (mais informações nesta página), especialistas previam que o presidente não trataria especificamente do tema do retorno das tropas durante o discurso de ontem. Com uma retórica quase totalmente voltada para as questões econômicas, em meio à pior crise financeira dos EUA desde a Grande Depressão de 1929, o discurso pretendia enviar uma mensagem "sóbria, mas otimista" aos americanos. "Aquelas qualidades que têm feito da América a maior força do progresse e da prosperidade da história da humanidade serão mantidas", prometeria o presidente. Obama também usaria o discurso para dizer que vai trabalhar para reduzir os custos e aumentar a cobertura do sistema de saúde, para que todos os cidadãos possam ter acesso a atendimento médico de qualidade. Uma das principais plataformas de Obama durante sua campanha foi a promessa expandir o número de assistidos pela saúde americana. Atualmente 46 milhões não têm cobertura. Pesquisas de opinião pública reveladas nos últimos dias mostram que a situação da economia pode erodir rapidamente a ampla aprovação com que Obama chegou à Casa Branca. A sondagem enconmendada pelo jornal The Washington Post e pela rede de TV ABC News indica que o presidente mantém uma aprovação de 68%. Outra pesquisa, no entanto, do Instituto Gallup, aponta para um quadro menos favorável, no qual o índice de popularidade de Obama cai para 59%.?SOBREVIVENTE?O secretário de Justiça, Eric Holder, foi o único membro do gabinete de Obama que não compareceu ao Congresso para assistir ao discurso. Mantendo a tradição, ele foi escolhido como o "sobrevivente designado" - ou seja, o integrante do governo escolhido para manter a administração, caso um evento catastrófico elimine todos os outros líderes. Holder foi mantido pelo serviço secreto num local não revelado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.