Corte alemã aprova extradição de acusados de apoiar Al-Qaeda

Um tribunal alemão aprovou a extradição de dois cidadãos iemenitas, um clérigo muçulmano e um homem que se acredita ser seu assistente, procurados pelos EUA por supostamente ajudarem a Al-Qaeda. Os EUA acusam al-Moayad de ter fornecido a Osama bin Laden milhões de dólares, recrutas e armas nos anos anteriores aos ataques de 11 de setembro. A corte estadual de Frankfurt decidiu que Mohammed Ali Hassan al-Moayad e Mohammed Mohsen Yahya Zayed, suposto assistente de al-Moayad, podem ser extraditados para os EUA sob a condição de não serem sentenciados à pena de morte, disse o porta-voz do tribunal, Wolfgang Frank. A palavra final sobre a extradição deverá ser dada pelo tribunal federal em Berlim. Funcionários iemenitas disse que al-Moayad, um dos líderes do pró-islâmico Partido da Reforma em seu país, deixou o Iêmen para tratamento médico na Alemanha dez dias antes de ser preso. O ex-legislador sobre de asma e diabetes. Em Frankfurt, o tribunal também exigiu que ambos não sejam detidos em nenhum centro de confinamento que não esteja localizado nos EUA, como é o caso da base dos EUA em Guantánamo, Cuba. Os dois acusados foram detidos em janeiro em um hotel próximo ao aeroporto de Frankfurt e, desde então, continuam na prisão, à espera da decisão da Justiça alemã sobre sua extradição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.