Corte ameaça maior partido da Tailândia

Justiça pede dissolução de legenda governista; Tribunal Constitucional precisa aprovar decisão

Reuters, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2010 | 00h00

BANGCOC

Manifestantes da oposição tailandesa, que há dias realizam grandes protestos nas ruas de Bangcoc, conquistaram ontem uma importante vitória após o Tribunal Eleitoral pedir a dissolução do partido governista por irregularidades no financiamento de campanha. A decisão precisa ainda ser chancelada pela Suprema Corte.

A Tailândia voltou a ser palco de intensos protestos de partidários do ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra nos últimos dias. No sábado, 21 opositores foram mortos na capital. Os manifestantes - que vestem camisas vermelhas e, em sua maioria, são do interior do país - exigem a renúncia imediata do atual premiê, Abhisit Vejjajiva.

A decisão do Tribunal Eleitoral veio à tona ao mesmo tempo que o influente chefe do Exército, general Anupong Paochinda, defendeu a realização de eleições antecipadas. A notícia surpreendeu, pois acreditava-se que o premiê Vejjajiva tinha apoio total das Forças Armadas.

Vejjajiva vem repetindo que não renunciará por causa dos protestos. Mas a declaração do chefe do Exército - instituição que, por meio de golpes, decidiu várias vezes o rumo da Tailândia - põe uma inédita pressão sobre o premiê.

"Se a questão não pode ser resolvida pacificamente, então a dissolução do Parlamento parece ser um passo razoável. Só quero que a paz prevaleça", disse o general. A dissolução do Legislativo encaminharia uma nova convocação de eleições gerais.

Embora seja crucial, a decisão da Corte eleitoral não parece ser o último capítulo da disputa histórica entre as facções de Shinawatra e Vejjajiva. Ainda não está claro quando a Suprema Corte se pronunciará sobre a questão e há expectativa de que manifestações em apoio ao governo voltem a tomar Bangcoc.

O Partido Democrata, que governa a Tailândia, foi considerado culpado por usar ilegalmente doações de campanha. "É uma vitória para nós. Os heróis de nossa democracia não morreram em vão", comemorou Veera Musikapong, líder dos "camisa vermelha" ao saber do resultado da corte.

Para lembrar

Desde a queda do premiê Thaksin Shinawatra, em 2006, a Tailândia já teve três governos. Na última crise, em 2008, opositores de Shinawatra cercaram o palácio presidencial e o aeroporto de Bangcoc até conseguirem retirar o premiê Somchai Wongsawat, seu aliado, do poder. Shinawatra tem apoio entre setores rurais, mas sofre oposição da classe média.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.