Yuri Gripas/Reuters
Yuri Gripas/Reuters

Corte bloqueia 3 pontos de lei anti-imigração do Arizona

Juízes mantiveram medida que permite à polícia checar status migratório de pessoas paradas

Gustavo Chacra, correspondente em Nova York,

25 de junho de 2012 | 21h36

NOVA YORK - A Suprema Corte dos EUA bloqueou três dos quatro pontos mais importantes da lei anti-imigração do Arizona. Ao mesmo tempo, manteve o ponto mais polêmico em uma decisão que agradou apenas em parte à Casa Branca.

Veja também:

link Supremo americano limita lei anti-imigração do Arizona

link Obama alivia regra para deportação de jovens ilegais

Por unanimidade, os juízes disseram que a polícia do Arizona pode checar o status imigratório de pessoas paradas por qualquer motivo. Esse era o ponto mais polêmico da lei, considerada inconstitucional pelo governo Barack Obama, que decidiu levar a questão à Justiça.

Ao mesmo tempo, a Suprema Corte concordou com a Casa Branca e bloqueou os demais pontos. Um deles exigia que os imigrantes portassem seus documentos de imigração o tempo todo. O segundo proibia imigrantes de procurar trabalho em instituições públicas. E um terceiro permitia que a polícia prendesse imigrantes ilegais mesmo sem ordem judicial caso acreditassem que eles cometeram crimes.

A lei anti-imigração do Arizona dividiu os EUA. De um lado, conta com o apoio de políticos republicanos. De outro, é criticada pelo Partido Democrata. Nas eleições de novembro, a questão da imigração é vista como importante, pois parte do eleitorado hispânico leva em conta as posições dos candidatos em relação aos imigrantes sem documento.

Em um comunicado, Obama disse ter ficado "satisfeito com a Suprema Corte por ter derrubado pontos-chave da lei de imigração do Arizona". "A decisão deixa claro que o Congresso precisa realizar uma reforma imigratória. Sigo preocupado com o impacto prático da manutenção de um dos pontos da lei que permite às autoridades checar o status de qualquer pessoa suspeita de estar aqui ilegalmente."  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.