Corte condena nigeriano a ser apedrejado por adultério

Uma corte islâmica do norte da Nigéria condenou um homem de 45 anos à morte por apedrejamento por ter feito sexo com sua enteada de 15 anos, revelaram fontes nesta terça-feira. Umaku Tori, um fazendeiro, foi considerado culpado de adultério por uma corte da remota cidade de Alkaleri, a 80 quilômetros de Bauchi, no nordeste do país.A enteada, atualmente grávida de seis meses, foi condenada a cem chibatadas por ter feito sexo antes do casamento.A sentença - considerada "mais leve" - foi proferida devido ao fato de a menina ser menor de idade e não ser casada. Com base nesse dado, o júri determinou que, tecnicamente, ela não cometeu adultério, explicaram funcionários da corte sob condição de anonimato. A sentença será cumprida somente depois que ela der à luz.Os dois têm até 29 de janeiro para apelar da decisão da corte, disse Abubakar Imam, funcionário da Corte de Apelações da Sharia (lei islâmica) do Estado de Bauchi. Bauchi é um dos 12 Estados do predominantemente muçulmanos do norte da Nigéria e que, nos últimos quatro anos, adotaram o código legal islâmico. O sistema judiciário nigeriano permite que cada Estado tenha suas próprias leis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.