Peter Dejong/NYT
Peter Dejong/NYT

Corte da ONU condena ex presidente liberiano por crimes de guerra

Charles Taylor cometeu crimes contra a humanidade durante as guerras civis da Libéria e de Serra Leoa

Reuters,

26 de abril de 2012 | 11h49

HAIA - Um tribunal especial da ONU condenou nesta quinta-feira, 26, o ex-presidente liberiano Charles Taylor por seu envolvimento em crimes de guerra e crimes contra a humanidade ocorridos durante as guerras civis interligadas da Libéria e de Serra Leoa.

Veja também: 

ESPECIAL: Como funcionam os tribunais internacionais

Taylor, de 64 anos, é o primeiro ex-chefe de Estado a ser condenado por um tribunal internacional desde o julgamento dos nazistas em Nuremberg. Ele respondia por 11 acusações de homicídio, estupro, escravidão sexual e recrutamento militar de menores.

Mais de 50 mil pessoas morreram nas guerras civis da Libéria e Serra Leoa. Taylor era acusado de comandar a Frente Revolucionária Unida (RUF), grupo rebelde que aterrorizava civis com o objetivo de saquear as minas de diamantes de Serra Leoa.

"O acusado é criminalmente responsável (...) por auxiliar nos crimes", disse o juiz Richard Lussick ao ler a sentença.

O tribunal considerou que Taylor, embora sem ordenar ou planejar diretamente os crimes, forneceu armas, alimentos, suprimentos médicos, combustível e equipamentos para forças de Serra Leoa que cometeram as atrocidades.

Vestindo terno azul-marinho e gravata marrom, Taylor parecia calmo e desanimado ao ouvir a leitura das acusações, das provas e da sentença, o que levou mais de duas horas.

O juiz disse que, em troca de auxiliar os rebeldes de Serra Leoa, Taylor recebia "diamantes de sangue", entre eles um de 45 quilates e dois de 25 quilates.

Taylor negou as acusações, insistindo que tentou promover a paz na região, e argumentando que seu julgamento foi parte de uma conspiração política de governos ocidentais.

O juiz disse, no entanto, que o acusado estava "publicamente promovendo a paz, mas reservadamente oferecendo armas à RUF". Ele acrescentou que havia um constante fluxo (...) de diamantes de Serra Leoa ao acusado, "frequentemente em troca de armas e munição".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.