Associated Press
Associated Press

Corte de Taiwan sentencia ex-presidente à prisão perpétua

Chen Shui-bian foi declarado culpado por corrupção; ex-primeira-dama também foi condenada

Agência Estado e Associated Press,

11 de setembro de 2009 | 11h10

Uma corte de Taiwan condenou nesta sexta-feira, 11, o ex-presidente Chen Shui-bian à prisão perpétua. O ex-líder foi declarado culpado por corrupção, em mais um capítulo na turbulenta história política do país.

 

A mulher de Chen, Wu Shu-chen, também foi declarada culpada por corrupção e igualmente sentenciada à prisão perpétua, segundo um porta-voz da corte. "Chen Shui-bian e Wu Shu-chen foram sentenciados à prisão perpétua, pois Chen fez um grave mal à nação e Wu porque esteve envolvida nos pactos corruptos como primeira-dama", disse o porta-voz.

 

O funcionário acrescentou que o casal precisa ainda pagar uma multa total equivalente a US$ 15,2 milhões. Centenas de manifestantes estavam em frente à corte, pedindo a libertação do ex-presidente.

 

O painel de três juízes da Corte do Distrito de Taipé declarou Chen, de 58 anos, culpado por várias acusações relacionadas à corrupção. Chen era acusado de desviar US$ 3,15 milhões de um fundo presidencial especial, durante seu mandato entre 2000 e 2008. Também é acusado de receber subornos, estimados em US$ 9 milhões, lavagem de dinheiro em constas na Suíça e falsificação de documentos.

 

O ex-presidente preferiu não permanecer à corte nesta sexta-feira. Desde dezembro, ele permanece em uma prisão no subúrbio de Taipé, após promotores convencerem os magistrados a manterem Chen detido, após sua acusação formal.

 

Uma ilha de 23 milhões de habitantes, Taiwan teve sua primeira eleição presidencial em 1996, após quatro décadas de um regime em que governava apenas um partido. A maioria dos taiwaneses acredita que Chen é pelo menos parcialmente culpado, mas alguns partidários acreditam que a postura dele contra a China teve papel importante no caso.

 

O presidente Ma Ying-jeou e vários juízes importantes do Ministério da Justiça negaram qualquer parcialidade. Chen foi o primeiro líder de Taiwan que não pertencia ao Partido Nacionalista, desde que Chiang Kai-shek fugiu da ilha ao perder a guerra civil chinesa para os comunistas liderados por Mao Tsé-tung, em 1949. Ele chegou ao poder com uma plataforma anticorrupção e favorável a garantir a independência da ilha.

Tudo o que sabemos sobre:
TaiwanÁsiaChen Shui-bian

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.