Corte do Egito suspende YouTube por causa de filme

Um tribunal egípcio ordenou a suspensão do serviço de vídeo online YouTube por um mês neste sábado pela transmissão de um filme que insulta o profeta Maomé.

Reuters

09 de fevereiro de 2013 | 11h11

O tribunal administrativo do país ordenou aos ministérios de comunicação e de investimento o bloqueio do YouTube, propriedade do Google, dentro do Egito porque havia postado o filme "Inocência dos muçulmanos", informou a agência de notícias estatal MENA.

O vídeo de 13 minutos feito nos Estados Unidos provocou fortes protestos no Egito, Líbia e dezenas de outros países muçulmanos, em setembro.

O vídeo retrata o profeta como um tolo. Para a maioria dos muçulmanos, qualquer representação do profeta é considerada blasfêmia.

O tribunal disse que estava julgando um caso apresentado sobre o filme há vários meses, sem entrar em mais detalhes.

O YouTube "insistiu em transmitir o filme e insultar o Islã e o Profeta, desrespeitando as crenças de milhões de egípcios e desconsiderando a raiva de todos os muçulmanos", disse o tribunal, segundo a MENA.

As autoridades do Egito informaram que vão cumprir a decisão assim que recebeu uma cópia do veredicto. Ninguém do Google ou do YouTube estava imediatamente disponível para comentar o assunto.

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOSUSPENDE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.