Corte egípcia abre caminho para retorno de ex-premiê do governo Mubarak

O último primeiro-ministro do governo de Hosni Mubarak, Ahmed Shafik, estará livre em breve para retornar de um exílio voluntário e, talvez, voltar ao cenário político, depois que tribunais egípcios o inocentaram nesta quinta-feira em um caso de corrupção e arquivaram um outro processo contra ele.

TOM PERRY E YASMINE SALEH, Reuters

19 de dezembro de 2013 | 18h19

Shafik deixou o Egito no ano passado, depois de ter sido derrotado na eleição presidencial por Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana.

Vários casos de corrupção foram apresentados contra Shafik durante o governo de Mursi, que foi abreviado em julho, quando foi deposto pelo Exército após protestos em massa contra ele.

Fontes judiciais disseram que o tribunal havia enviado o caso final contra Shafik de volta para o procurador, que deve agora decidir se o rejeita ou ordena mais investigações sobre as acusações, que estão relacionadas com a alocação ilegal de terras do Estado.

Uma decisão em separado absolveu Shafik e dois filhos de Mubarak, Alaa e Gamal, em um outro caso de corrupção. Mas Alaa e Gamal Mubarak permanecem detidos por causa de outros processos também relacionados com corrupção.

As decisões judiciais significam que dentro de alguns dias o nome de Shafik será removido de uma lista de pessoas cuja prisão foi pedida, contanto que nenhuma nova ação seja apresentada contra ele, disseram fontes do Judiciário.

O retorno de Shafik refletiria a mudança no balanço de poder no Egito desde que o Exército depôs Mursi e colocou a maior nação do mundo árabe em um novo caminho político, com a meta de realização de eleições parlamentares e presidenciais no ano que vem.

Os tribunais têm sido a linha de frente na luta política no Egito. Depois da derrubada de Mubarak, em 2011, um grande número de ações foi apresentado contra o veterano autocrata e seus assessores.

Mas o padrão mudou desde a destituição de Mursi: Mubarak foi libertado da prisão, embora esteja novamente sendo julgado por acusações de ter ordenado a matança de manifestantes em 2011.

"ACUSAÇÕES RISÍVEIS"

Esta semana o procurador revelou um novo caso contra Mursi e outros líderes da irmandade, ordenando que ele e outras 35 pessoas sejam julgadas por terrorismo e conspiração com grupos estrangeiros -delitos que podem levar à sua execução.

Nesta quinta-feira, a Irmandade denunciou o caso, pelo qual é acusada de ter armado um "plano terrorista" em 2005, com envolvimento do grupo palestino Hamas, o governo islamista xiita iraniano e o grupo xiita libanês Hezbollah, aliado do Irã.

"Os juízes da junta continuam a fabricar acusações risíveis contra o presidente democraticamente eleito e vários líderes da Irmandade Muçulmana", assinalou o grupo.

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOTRIBUNALRETORNO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.